Destes 24, 18 já tiveram o batismo oficial na época 2013/14. Seis continuam à espera de uma chamada, cada um deles envolvido num contexto próprio.

Para Fabiano Freitas e Sinan Bolat o cenário nem sequer surpreende. Com Helton a arrancar mais um ano na baliza, as possibilidades de uma oportunidade serão, por certo, escassas. Sobrarão as restantes provas internas e uma lesão ou castigo do titular.

Os restantes quatro são Diego Reyes, Carlos Eduardo, Marat Izmaylov e Nabil Ghilas.

Abdoulaye, Castro, Tiago Rodrigues e Juan Iturbe foram cedidos a outros clubes durante o mês de agosto.

Vamos aos seis casos de vazio competitivo e à leitura de cada um deles:

FABIANO FREITAS (guarda-redes), 25 anos

. segunda época no Dragão, segunda época na sombra de Helton. Suplente não utilizado na Supertaça e nos três jogos do campeonato, Fabiano apenas fez um jogo pela equipa B. 90 minutos no triunfo por 0-1 na Vila das Aves. É, à partida, a solução óbvia para uma eventual indisponibilidade de Helton.

SINAN BOLAT (guarda-redes), 25 anos

. (bom) negócio de ocasião para os tricampeões, o ex-guarda-redes do Standard Liège terá toda a época para se adaptar e confirmar no dia-a-dia os atributos que lhe são atribuídos. Fez cinco anos consecutivos a lutar pelo título belga e traz vários jogos europeus no CV. Um nome para levar muito a sério a médio prazo.

DIEGO REYES (defesa central), 20 anos

. a contratação do mexicano envolveu uma verba a rondar os nove milhões de euros, de acordo com o Relatório e Contas publicado em maio (47,5 por cento do passe foi, entretanto, alienado). Os números da operação sugeriam a chegada de uma certeza para a defesa, mas Reyes não passa, por ora, de uma enorme interrogação. 180 minutos na equipa B (Aves e Penafiel) e um erro grave na recente derrota da seleção do México são os sinais mais evidentes. Com Mangala, Maicon e Otamendi terá o acesso ao onze vedado.

CARLOS EDUARDO (médio centro), 23 anos

. entre janeiro e maio encantou com a camisola do Estoril. Tecnicamente evoluído, elegante, fortíssimo na marcação de bolas paradas. O FC Porto avançou com a contratação, mas a concorrência no meio-campo não dá tréguas. Esteve no banco em Setúbal, para o arranque da Liga, e fez três jogos pela formação secundária. Tem sido mais vezes médio de ligação do que número dez.

MARAT IZMAYLOV (médio/extremo), 30 anos

. não joga oficialmente de dragão ao peito desde 4 de maio. Paulo Fonseca teve várias conversas individuais com o russo na pré-época, pedindo-lhe mais arrojo e risco nas ações, mas uma lesão afastou-o das escolhas para os primeiros jogos. Mesmo com a saida de Iturbe, o ex-leão tem Licá, Varela, Ricardo e Josué à sua frente nas opções para as alas. E já nem falamos de Kelvin. Vida difícil.

NABIL GHILAS (ponta-de-lança), 23 anos

. Jackson não permite grandes esperanças ao argelino. É um atacante válido, um poço de força, perfeitamente compatível com o colombiano num plano de jogo que contemple dois avançados-centro. O problema é que o FC Porto nunca joga dessa forma. Terá de aproveitar todos os minutos como se fossem os últimos.