Muitos jovens talentos lançados, recorde de pontos à vista e dobradinha no horizonte.

São motivos suficientes para Sérgio Conceição reconhecer que este é o melhor FC Porto que treinou? O técnico relativiza. 

«Houve plantéis que me davam coisas fantásticas em determinado momento, este noutra. No primeiro ano tinha "só" Casillas, Maxi, Brahimi, Herrera, Aboubakar, Marega, anda por aí o Otávio ainda, acho que é o único dessa equipa. No início do ano se dissessem que Fábio Vieira, Vitinha, João Mário, Diogo Costa, Francisco Conceição iam ser o que são neste momento pouca gente acreditaria», começou por sublinhar o técnico na conferência de imprensa no Olival, completando: «Qual é o futebol que as pessoas acham mais agradável de ver? Depende de muita coisa, porque eu posso gostar de um futebol mais vertical, mais rápido. A intensidade está sempre lá. Há pessoas que gostavam muito de ver o Barcelona e eu adormecia. Outros gostavam de ver o Dortmund há três ou quatro anos, que era uma maravilha naquilo que era um jogo de constantes ataques rápidos à baliza do adversário.»

Conceição abordou também a forma como tem potenciado os jovens jogadores.

«Se a qualidade do jogador não estiver lá, é difícil mexer com ele. A equipa técnica é muito exigente no trabalho diário. Se um jogador for treinar e achar que fazer quanto baste é suficiente, para nós isso não serve. Temos de apontar virtudes e defeitos. Trabalhar no campo e todo esse trabalho faz com que eles subam de produção. Há outros, infelizmente, que não conseguem, mas a maior parte dos jogadores têm conseguido elevar o seu nível», concluiu.

 O FC Porto recebe o Estoril este sábado, a partir das 18 horas, num jogo que será de consagração pela conquista do título.