O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, assegurou que os jogadores percebem quando têm um mau desempenho e que refletem sobre isso. Na antevisão ao duelo com o Marselha, para a Liga dos Campeões, o técnico deu ainda outra garantia: não é por pressão exterior que vai dar a titularidade a alguém.

«Existe autocrítica dos jogadores, tenho um grupo de trabalho que são homens que percebem quando o desempenho é bom e não é tão bom e podem opinar pela prestação deles. Eu promovo isso no balneário», respondeu o técnico.

A derrota em Paços de Ferreira confirmou um mau início de campeonato dos portistas, mas na Liga dos Campeões, o FC Porto está dentro dos objetivos, depois de ter vencido o Olympiakos na segunda jornada. Sérgio Conceição assume que é preciso mudar o foco da Liga para a Champions, mas de forma natural.

«Quando falei no chip, não era um chip, são 25, incluindo a equipa técnica», frisou.

«Os jogos são preparados ao pormenor, olhando para aquilo que é o adversário, olhando para as suas individualidades porque dentro delas é que funciona o coletivo. Depois, em termos estratégicos, o que definimos para o jogo. Quando se muda de uma prova para a outra, esse chip tem de ser mudado, mas de uma forma natural. Temos de vir com o intuito de sermos melhores hoje do que ontem», argumentou o treinador.

Conceição foi depois questionado sobre Mehdi Taremi, que foi um dos melhores marcadores do campeonato na época passada com o Rio Ave, mas que ainda não foi titular no FC Porto nesta época

«O Taremi é um jogador super educado [respondendo a uma pergunta sobre o comportamento do iraniano], em adaptação, e se calhar é um dos mais utilizados», declarou.

«Não é por petições públicas que vou meter um jogador, dou a titularidade a um jogador quando acho que a merece, em função do momento e do que é trabalhado estrategicamente para o jogo», rematou Sérgio Conceição.