Declarações do treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à SportTV, após a vitória por 4-2 ante o Vizela, no Estádio do Dragão, em jogo da 32.ª jornada da I Liga:

«É fantástico ver um estádio cheio de gente do FC Porto e também muitos adeptos do Vizela. É de louvar, espetáculo bonito, com golos bonitos, diferentes. Parabéns aos meus jogadores, fizeram um bom jogo. Estamos a aproximar-nos do final e, aqui ou acolá, há alguma falta, não digo de discernimento, mas de inteligência para o que o jogo está a pedir.»

«Acho que, nos primeiros 15 minutos, o tempo útil é pouco. Mas aceito. Compreendo: vir ao Dragão, com uma equipa que normalmente faz do ritmo alto e intensidade, velocidade e execução as suas características principais, é normal que nos primeiros 15 a 20 minutos os treinadores – se calhar se eu estivesse do outro lado faria a mesma coisa – tentem ao máximo quebrar esse ritmo. Prejudica o espetáculo. Acabou por prejudicar a nossa equipa, mas a partir daí, quando fizemos o primeiro golo num dos momentos em que somos fortes, entrámos verdadeiramente no jogo.»

«Fizemos o segundo golo e, a partir daí da meia hora de jogo, acho que entrámos na tal dinâmica em posse que não gosto particularmente, quando se começa a não olhar tanto para a baliza do adversário. Foi num desses lances que perdemos a bola, levámos a transição e há um grandíssimo golo do jogador do Vizela, aí nada a dizer.»

«Entrando na segunda parte e sofrendo o golo que sofremos, poderia deixar a equipa intranquila. Acho que os adeptos foram atrás do que a equipa queria, à procura de fazer golo. Não estou de acordo com o Álvaro, que queimámos tempo. Fizemos o quarto golo quase em cima dos 90 minutos. Agora, sim, no início do jogo, houve alguns momentos de perda de tempo e não é bom.»

«Os reforços que entraram durante o jogo estiveram bem, imagem que marca a nossa época, o grupo é muito bom nesse sentido: não só de interiorizar a mensagem do trabalho diário, a estratégia para o jogo, mas todos estarem com o mesmo espírito. Sejam 20, dez, cinco minutos, sejam dois minutos como o Eustáquio, é fantástico ver um jogador que entra quatro ou cinco minutos e a forma como entra é um indicador importante de que quer ajudar muito a equipa.»

[Um ponto para o título:] «Neste momento, olhar para o jogo do Benfica na Madeira, analisá-lo da melhor forma e preparar o jogo da Luz para ganhar, é o que fazemos sempre. Matematicamente nada conquistado, temos de fazer o nosso trabalho, faltam dois jogos do campeonato, final da Taça, por isso pés bem assentes no chão e cabeça no lugar.»