João Moutinho, mestre da harmonia

Qualidade inquestionável. O tipo de futebol pensado por Villas-Boas favorece-o. Bola no pé, trocas posicionais constantes, alma gémea de Ruben Micael. Sem ser exuberante, impõe já com mestria o andamento da construção ofensiva azul e branca. O valor de Moutinho não é novidade para ninguém, mas surpreende a harmonia com que se integrou na estrutura do F.C. Porto. Vai ser uma unidade maior no dragão 2010/11. Marca cantos e livres. Foi numa bola parada que colocou a bola na cabeça de Fernando para o primeiro golo.

Emídio Rafael, os perigos de um mundo novo

Homem da confiança do treinador. Mostra virtudes interessantes e defeitos a corrigir com urgência. Bom pé esquerdo, equilibrado, sobe no terreno com cabeça fria e inteligência. Falta decidir melhor o último passe. Precipitou-se em duas combinações com Rodríguez e defendeu mal Mannini, após um passe longo de um defesa italiano. Cometeu uma grande penalidade, ao dar mão na bola após uma entrada de carrinho. Nervos naturais num atleta ainda perdido no fascínio da nova realidade. Está a aproveitar a ausência de Alvaro Pereira para se aclimatar mais rapidamente à nova atmosfera.

Sereno, um nome que diz quase tudo

Opção interessante para o eixo da defesa. Faz jus ao nome que ostenta, pois pauta as suas acções pela frieza e racionalidade. Falta-lhe, quiçá, mais agressividade. Fez dupla com Maicon sem acusar a pressão de um ambiente novo e exigente. Sem erros, bloqueou o talento de Antonio Cassano com autoridade q.b. Pode ganhar um espaço útil na equipa, caso se confirme a tão propalada venda de Bruno Alves.

James Rodríguez, confissões de adolescente

Pé esquerdo recheado de promessas e confissões. Remate desenvolto e cruzamentos bem medidos, primados por uma irreverência saudável. Gosta de procurar a linha lateral, de ter a bola dominada e arrancar para cima dos contrários. Desta vez não marcou, embora tenha estado bem mais competente do que frente ao Ajax.

Souza, ascensão vertical

Alto, passada larga, mais box to box do que trinco. Colocado à frente de Fernando e ao lado de Belluschi, mostrou visão vertical e uma procura quase obsessiva pela tabela com Falcao. Bons indicadores. Está claramente a subir de forma. Recuou para a posição-seis com a entrada de Castro.

Sapunaru, ponto picado

Se é religioso, deve rezar todos os dias pela saída de Jorge Fucile. Sem o uruguaio, será à partida a segunda opção para o lado direito da defesa. Entrou numa fase em que o ritmo estava muito mais baixo e não teve dificuldades de monta. Cumpridor.

Castro, com raça e muita alma

Um quarto-de-hora em alta rotação no lado direito do meio-campo. Raçudo, truculento, insatisfeito, é um jogador com alma. A concorrência é fortíssima, de facto, mas Castro tem qualidade para entrar neste plantel.

Ukra, detalhes de qualidade

Dois ou três bons pormenores em dez minutos. Nesse pedaço de tempo seria absurdo exigir-lhe mais.