Walter parece-se cada vez mais com Hulk. Pelo jeito, pela capacidade de explosão, pela potência do remate. Mas não só. Nesta quarta-feira, soube-se que os dois jogadores partilham uma passagem fantasma por um clube do Uruguai: o Club Atlético Rentistas.

O Internacional de Porto Alegre vendera metade do passe de Walter ao empresário Juan Figger, a troco de 3,7 milhões de euros. O agente FIFA já tinha a outra metade. Após longas negociações, o F.C. Porto adquiriu 75 por cento do passe por seis milhões. Sobretudo, para ter controlo maioritário sobre o jogador.

OFICIAL: Walter assinou com o F.C. Porto por cinco anos

Segundo o comunicado enviado à CMVM, Walter foi adquirido ao Rentistas. Tal como aconteceu com Hulk em 2008. O reforço do F.C. Porto nunca jogou pelo emblema do Uruguai. Para perceber melhor a história, aqui fica o que o Maisfutebol escreveu há dois anos, a propósito do negócio que levou Hulk para o Dragão.

Japão ou Uruguai?

Ao contrário do que se supunha, Hulk não foi comprado pelo F.C. Porto directamente ao Tokyo Verdy. Segundo os azuis e brancos revelaram em comunicado à CMVM, a negociação de 50 por cento do passe do jogador foi feita com o Club Atlético Rentistas, um emblema da cidade de Montevideu, no Uruguai, que disputa a segunda divisão.

O Rentistas é, de resto, um clube pequeno do país, que serve sobretudo como interposto de jogadores. A negociação de Hulk não é a primeira que faz com o mercado português. Ainda na última época, por exemplo, o Sporting adquiriu Tiuí a esse emblema.

Antes destes, no final dos anos 80, o Sporting já tinha adquirido também através do clube Rentistas os jogadores Paulo Silva e Rodríguez. As transferências foram intermediadas por Juan Figger, como acontece com todos os jogadores que saem do pequeno clube uruguaio para a Europa. A maior parte deles nunca chegam a jogar no Rentistas.

Juan Figer, um uruguaio radicado no Brasil e que é o empresário FIFA mais antigo do país, já foi alvo de uma investigação do Senado do Brasil devido à suspeita de actividades ilegais através do Rentistas e do Central Espanhol (outro clube do Uruguai que também é um ponto de passagem de futebolistas), devido ao modo como negociava jogadores.

Nessa ocasião, o empresário foi obrigado a responder perante as acusações da Comissão Parlamentar de Inquérito. Segundo o relatório, «jogadores brasileiros são adquiridos pelos clubes uruguaios (com a intermediação do Sr. Figer no negócio) e imediatamente revendidos a clubes europeus por valores que chegam ao dobro do montante da compra».

Juan Figer sempre negou qualquer participação no Rentistas, referindo só intermediar negociações que envolvem o clube. Um dos casos investigados foi Lucas, que teve metade do passe comprado ao At. Pararanense por 400 mil dólares e posteriormente vendido para a Europa por 15 milhões, sendo que metade foi para o clube brasileiro.

O jogador nunca chegou a jogar pelo Rentistas. Nos registos de Hulk não consta também qualquer passagem pelo Rentistas, mas o F.C. Porto esclarece no comunicado que comprou 50 por cento dos direitos económicos e os direitos desportivos ao clube. O que significa que o Rentistas adquiriu primeiro os direitos desportivos ao Tokyo Verdy.