A Supertaça escreve-se com histórias assim. Tolhidas pela surpresa, cobertas num manto de opereta, perdidas na doença congénita que é a saudade. A que lhe recordamos agora, em jeito de lançamento ao jogo de sábado, trai a altivez dos benfiquistas e eleva o sentimento portista. É um jogo único, de resultado absolutamente improvável: 0-5 para os dragões, em plena Luz.

18 de Setembro de 1996, o dia da maior das desfeitas. Aos três minutos já o F.C. Porto celebrava um golo de Edmilson. Antes do intervalo, mais um, anotado por Artur. Na segunda parte, a tragicomédia adensava-se. Jorge Costa, Arnold Wetl e Drulovic, três facadas cirúrgicas a dilacerar o orgulho encarnado.

Herói acidental, desorientado na frente de uma batalha ancestral, Wetl teve uma exibição perfeita, paradoxal à sua passagem efémera pelo F.C. Porto. 14 anos depois, sem corromper a realidade, recorda tudo ao Maisfutebol através de uma pulsão aforística.

«Que noite! Lembro-me perfeitamente desse golo. Foi um dos mais belos momentos da minha carreira. Recebi a bola fora da área, rematei com toda a força, de pé esquerdo, e estremeci com o barulho. Tinha acabado de marcar ao grande PreudHomme. Na Áustria ele era um deus», conta o antigo internacional austríaco.

«O António Oliveira deu-me um abraço de dez minutos»

Para Wetl esse Benfica-Porto tinha começado muito antes. Há poucos meses em Portugal, desconhecia a verdadeira amplitude da guerra fria entre os dois emblemas históricos. Mas houve quem o ajudasse a perceber.

«Na viagem de autocarro e no balneário o Jorge Costa e o Paulinho Santos fartaram-se de falar comigo, às vezes aos berros, a dizerem que tínhamos de ir para cima deles», diz, numa gargalhada saudosista.

«Sinceramente, tínhamos uma equipa muito superior. O treinador António Oliveira era um homem inteligente. Acho que não apreciava a minha maneira de jogar. Tinha esse direito. Mas na Luz deu-me um abraço que durou dez minutos! Estava louco!»

Arnold Wetl leva uma vida pacata na Áustria. É o treinador da equipa de sub-17 do Sturm Graz, continua a repelir os tiques snobistas da capital Viena e segue com pouca atenção a liga portuguesa.

«Joguei poucas vezes e tenho pena. Foi a melhor experiência desportiva da minha vida. Quando saí de Portugal fui para o Rapid Viena e, essa sim, foi uma má decisão. As pessoas de Graz não se dão bem com as de Viena e paguei por isso.»

«O melhor? Conceição, Zahovic, Drulo e¿ Jardel»

A conversa telefónica escorre ritmada, incomodada somente com o choro dos filhos de Wetl. Há prioridades e o ex-jogador do F.C. Porto pede-nos desculpa pela despedida abrupta. «Tenho mesmo de ir deitá-los.»

Antes do adeus, uma última pergunta: quem era o melhor jogador daquele Porto da época 1996/97? «Não sei, é difícil responder. O Sérgio Conceição tinha uma velocidade e uma força incríveis, o Zahovic jogava muito e também gostava muito do Drulovic... ah, e o Jardel, claro. Era um rapaz especial. Ainda joga? Na Bulgária? Não fazia ideia.»

FICHA DE JOGO:

BENFICA: PreudHomme; Calado (Tahar, 73), Hélder, Bermudez e Dimas (Illiev, 50); Jamir, Bruno Caires, Gustavo e Valdo; João Pinto e Donizete.

F.C. PORTO: Wozniak; Jorge Costa, João Manuel Pinto e Lula; Sérgio Conceição, Paulinho Santos, Wetl (Rui Barros, 70) e Fernando Mendes; Zahovic; Artur (Drulovic, 52) e Edmilson (Jardel, 60).

Golos: Artur (3), Edmilson (43), Jorge Costa (46), Wetl (56) e Drulovic (85).