«Se houver uma identificação com o meu projecto e se for esse o desejo dos clubes, no sentido de em conjunto desenvolvermos a modalidade, então serei candidato» declarou Fernando Gomes à agência Lusa.

Licenciado em economia, Fernando Gomes demitiu-se recentemente da administração da SAD do F.C. Porto, destacando a sua «experiência profissional» e garantindo total disponibilidade. «No espaço de 15 dias, vou apresentar a cada clube o meu projecto. A minha oferta inclui disponibilidade total, única forma de potenciar o negócio. E assim, se há disponibilidade total e empenho absoluto, terá igualmente de haver a profissionalização. A LPFP já é um organismo extremamente profissional nos cargos intermédios e será necessário alargar esta medida ao nível de topo», explicou.

«É necessário que o Estado, os portugueses e as empresas olhem para o futebol como uma actividade extremamente importante no contexto económico e social do país. Esse será o meu maior desafio, até porque existem ainda algumas reminiscências do passado a que urge pôr fim» acrescentou, apresentando-se com «um projecto inovador e com uma visão empresarial».

«O futebol é uma actividade apaixonante e temos de olhar para a modalidade como um negócio, com um modelo empresarial capaz de atrair investidores. Hoje, o futebol já representa uma parte significativa do PIB (Produto Interno Bruto) português, mas tem um espaço de crescimento alargado e isso que quero fazer», disse Fernando Gomes.

Na sua opinião, com as competências da arbitragem e da disciplina relegadas para a Federação Portuguesa de Futebol, será possível, «criar outra dinâmica na gestão» da Liga.

Fernando Gomes diz não ter ainda o apoio de qualquer clube, mas considera importante que F.C. Porto, Benfica e Sporting apoiem o projecto, bem como «todos os outros de média dimensão e ainda da Liga de Honra».