«Quando fomos a Paris assumimos que tínhamos condições para vencer, agora, perante o nosso público, por que não faríamos a mesma coisa? Naturalmente que somos favoritos», afirma Fernando Santos.

«Temos de atacar bem mas concentrados, para limitar a possibilidade de contra-ataque», acrescenta o treinador, que espera «um PSG um pouco de acordo com o que fez na segunda parte em Paris». «Vai procurar defender bem, não sofrer golos e explorar o contra-ataque», antecipa o técnico, que deu também a receita para contornar as dificuldades: «Não podemos concentrar-nos num jogo estereotipado. Temos de encontrar outros caminhos para o golo.»

Face à desvantagem trazida da capital francesa, Fernando Santos quer que a equipa apresente uma postura muito ofensiva, logo a partir do primeiro minuto: «Temos de tomar a iniciativa do jogo e entrar para vencer. A eliminatória está a meio e estamos em desvantagem. Só há uma hipotese de seguir em frente.»

Mas caso o Benfica consiga um golo que o coloque em vantagem na eliminatória, a equipa não queri cair no erro de defender o resultado: «Num jogos destes isso seria sempre perigoso. Se chegarmos à vantagem temos de procurar o segundo, mas com cabeça», garantiu.

O técnico tem algumas baixas para esta partida e não pode contar nomeadamente com Quim, mas não abre o jogo sobre quem ocupará a baliza. «Como faço sempre, primeiro digo aos jogadores», afirmou, repetindo a mesma ideia no que diz respeito às opções para o ataque.

Quanto ao historial posititvo do PSG fora de casa na Taça UEFA 2006/07, Fernando Santos desdramatizou: «Não podemos viver dessas preocupações, mas sim ter consciência do que temos de fazer. Não pode haver fantasmas.»

Quem está garantido no eixo da defesa é David Luiz. O central brasileiro fez uma boa exibição frente ao U. Leiria e ganhou a confiança de todos: «A equipa está sempre tranquila. Os jogadores acreditam uns nos outros e na estratégia do treinador», acrescentou Fernando Santos.

[fotos: EPA/TIAGO PETINGA]