No entanto, reconheço que para uma abordagem mais simplista e menos

técnica, mais «futeboleira» e menos científica, falar-se nas componentes separadamente facilita a compreensão, a comparação e a análise específica.

Falar-se de Luís Figo é, obviamente, falar-se do jogador por excelência, do homem que consegue, de forma harmoniosa, coexistir com toneladas de potencial e onde as qualidades técnico-tácticas-físicas-psicológicas cooperam com uma empatia quase única no futebol de hoje.

Centremo-nos agora na reabertura da Liga dos Campeões e no jogo de Madrid entre o Real e a Lazio. Quando os espanhóis possuem Hierro, Raúl, Roberto Carlos e companhia, e na hora de decidir com um só remate no último minuto, a directa qualificação para os quartos-de-final, é Figo o escolhido (?) para marcar o decisivo pontapé da marca de grande penalidade. Muitos pensarão no porquê da escolha.

Conheço o jogador de cinco anos de trabalho diário em comum e sei que a sua eficácia nessas acções não é esmagadora; sei da paixão dos goleadores como Raúl em tentar aproveitar essas oportunidades para aumentar as estatísticas que um dia o levarão a ultrapassar o mítico Alfredo di Stéfano como o maior goleador da história do Real Madrid.

Obviamente que sei também que os líderes carismáticos como Fernando Hierro não gostam de perder oportunidades de mostrar ao mundo o seu status e personalidade. Naquelas horas muitos duvidam, alguns tremem, outros escondem-se. Luís Figo agarrou na bola com a convicção e a «arrogância» que fazem dele o melhor dos melhores.

Onde está a diferença? No campo psicológico. Os grandes têm coragem, são decididos, não têm medo de falhar, adoram a responsabilidade, divertem-se com o risco, assustam o stress e a pressão. Decididamente, o campo psicológico faz a diferença...