O presidente Gilberto Madaíl explicou, ao portal do órgão, a apresentação da proposta: «Creio que é urgente que os clubes tenham noção de que a sua organização interna tem que ser bem estruturada, que a sua responsabilidade é enorme e que a gestão tem que ser cada vez mais cuidada e responsável. Por muito que respeitemos o amor que muita gente tem pelos seus clubes, chegou o tempo de perceber que esta actividade, mesmo nos escalões não profissionais não pode ficar dependente de apoios esporádicos e voláteis que, quando faltam, deixam os clubes, os atletas e toda a gente, numa situação muito vulnerável.»

Ora, de acordo com a própria federação, foram ainda discutidas as «as consequências da eventual não participação de clubes nas Ligas profissionais por incumprimentos salariais, fiscais e relativos à segurança social».