Mais de três mil emigrantes portugueses na Suíça marcaram presença no Complexo Desportivo do FC Gland para verem o Benfica golear, com a maior naturalidade do Mundo, uma equipa dos distritais helvéticos. 

Em face dos números da vitória encarnada - 13-0, com alguns falhanços pelo meio - percebe-se facilmente que não vale a pena entrar em dissecações técnico-tácticas. Basta dizer que o Benfica entrou em campo com um esquema a roçar o 4x3x3 e terminou o encontro num 4x4x2. João Tomás foi o avançado-centro escolhido para a primeira parte e Sokota para alguns minutos da segunda. Quando entrou Mantorras (o mais ovacionado da noite), o croata recuou uns metros para dar apoio directo ao angolano. 

Olhando apenas para o jogo, podia o Benfica utilizar a táctica que quisesse que o resultado seria sempre parecido com este. Importa mais, portanto, a Toni ver como vão as coisas em termos de movimentos. Algo que também não se pôde perceber, dada a tamanha facilidade com que qualquer intenção encarnada era levada avante. Sobrou, então, a atitude. E essa foi boa. 

O Benfica deu aos entusiásticos espectadores tudo o que eles mereciam em termos de entrega. Apinhados junto à vedação do campo, que nem sequer tinha bancadas, os emigrantes portugueses festejaram cada golo como se do primeiro se tratasse. Não havia pontos nem eliminatórias em jogo, mas havia o orgulho de quem demandou a Suíça para ganhar a vida. Para esta gente, hoje, isso contava mais que tudo. Os jogadores encarnados perceberam bem o que os envolvia e foram dignos da festa. 

Incentivos vários, boa disposição a rodos e loucura pelo Benfica marcaram o início de noite desta terça-feira em Gland. O «speaker» de serviço, entalado entre o francês que se fala nesta zona da Suíça e um português enferrujado, bem apelou contra as invasões de campo. Mas não valia a pena. Se até durante o jogo não faltou quem entrasse no relvado, como se poderia evitar o banho de multidão no intervalo (!) e no fim? Não se evitou nem era preciso. Correu tudo bem.

FICHA DO JOGO 

Complexo Desportivo do FC Gland, em Gland

Árbitro: Jean-Luc Schmid (Suíça)

Árbitros auxiliares: Dominique Roussier e Casto Santana 

GLAND - Campiche; Piguet, Tissot «cap.», Clément e Villena; Althaus; Gatta, Ostojic, Pernet e Bonifácio; Votta

Jogaram ainda: Perez, Shelton, César Vieira, Fallet, Alexandre Félix, Kernen, Labah, Uldry e Carbone

BENFICA - Enke; Cabral, João Manuel Pinto, Sérgio Nunes e Diogo Luís; Bruno Aguiar, Fernando Meira «cap.» e Zahovic; Miguel, João Tomás e Drulovic

Na 2ª parte - Enke (Nuno Marques); Ricardo Esteves, Geraldo «cap.», Sérgio Nunes e Quim Berto; Bruno Aguiar (Mantorras) e Andrade; Carlitos, Rui Baião e Porfírio; Sokota

Ao intervalo: 0-7

Marcadores: 0-1, Fernando Meira (2m); 0-2, Bruno Aguiar (6m); 0-3, Zahovic (27m); 0-4, Miguel (29m); 0-5, João Tomás (31m); 0-6, Zahovic (37m); 0-7, Drulovic (40m); 0-8, Sokota (50m); 0-9, Rui Baião (57m); 0-10, Porfírio (58m); 0-11, Sokota (60m); 0-12, Mantorras (81m); 0-13, Carlitos (90m)