A informação foi dada pelo advogado do ex-jogador de Trinidad e Tobago, Jalal El-Mir, que o acompanhou ao TAS em Lausanne: «Acredito que uma revisão adequada e imparcial pelo TAS vai revelar que o meu cliente é um candidato sério e qualificado, que foi tratado injustamente.»

Nesse seguimento, o advogado disse esperar que o seu cliente seja «ouvido rapidamente, dado o limite temporal para esta campanha eleitoral».

A candidatura foi invalidada pelo facto de Nakhid ter apresentado apenas quatro subscritores válidos da sua candidatura, quando a FIFA exige que sejam cinco entre os seus 209 membros.