João Vale e Azevedo traçou em três frases o perfil de José Mourinho e as razões que motivaram a escolha do Benfica. Para o presidente, o clube acabara de contratar até ao final da temporada, com outra de opção, um treinador «jovem, ambicioso e formado num clube de elite, habituado a ganhar». 

Foi a ambição de Mourinho que entusiasmou Vale e Azevedo. «Ainda agora, quando estavamos a conversar, me disse que o importante não é estar no Benfica, mas sim ganhar no Benfica». E é isso que os dirigentes do clube esperam de Mourinho. «Precisavamos de alguém com ambição, às vezes as pessoas com muito currículo não possuem a ambição necessária a quem trabalha num clube como este». 

A escolha de Carlos Mozer obedeceu aos mesmos pressupostos. «É uma pessoa da casa, com perfil de campeão e habituado a vencer. É isso que pretendemos», afirmou. 

Alguém lembrou que José Mourinho só agora vai ter oportunidade de assumir o comando de uma equipa. «Não há futebol sem risco? O importante é termos na frente uma pessoa ambiciosa e com vontade de vencer, não me parece que seja um risco». Depois, lembrou o presidente, «há sempre uma primeira vez, no caso de Mourinho ela aqui está». 

Depois de Mourinho, Toni. Vale tentou encerrar o assunto logo à primeira, dizendo que não comentava «especulações da imprensa». Acabou por reconhecer que tinha «falado com algumas pessoas» sobre o futuro do Benfica e as mudanças necessárias. E mais não disse. Vale e Azevedo nunca assumiu o convite a Toni, preferindo lembrar que estavamos na apresentação de...José Mourinho.