Adriano Facchini:

Os dedos das duas mãos não chegam para contabilizar as defesas de grau de dificuldade elevado que o guarda-redes do Gil Vicente executou. O lance final da primeira parte é digno de ser visto e revisto: fez três defesas num espaço de poucos segundos, Rafa e Pardo, por duas vezes, não o conseguiram bater já dentro da área. Segurou o Gil Vicente em algumas fases do encontro e valeu por três: fez o seu papel e ainda suplantou os expulsos Danielson e Halisson. Os gritos provenientes da bancada pelo seu nome são justificados. Nota máxima para o Maisfutebol.

 

 

Desilusão

 

Danielson: Dois erros crassos do defesa mais experiente do Gil Vicente deixaram o conjunto de João de Deus a jogar a menos uma unidade praticamente todo o segundo tempo. Por duas ocasiões abordou os lances de forma infantil perante a proximidade de Edinho. Primeiro saiu a jogar em zona proibida, depois deixou-se antecipar. Halisson saiu-lhe as pisadas.  

 

O Momento

 

Golo de Luan (minuto 66) Golo na baliza em que menos se esperava, num momento em que ninguém acreditaria. Foi a resposta do Gil Vicente às duas expulsões na sua equipa. Falta de Nuno André Coelho, José Peixoto bate o livre com conta peso e medida para o discreto Luan escrever o seu nome na história do jogo. Totalmente merecido para o jogador, nem tanto para a equipa.

 

Outros destaques:

 

Tomás Dabó: O miúdo continuou a merecer a confiança de Jesualdo Ferreira e fez por justificar a aposta. Levou com elemento normalmente mais interventivo do Gil Vicente, Diogo Viana, e deixou o extremo em branco esta noite. Limpou por completo o seu raio de acção e secou o extremo do Gil Vicente revelando uma tranquilidade impressionante. 

  

Luan: Mas que jogo de luta do centro-campista do jogador de Barcelos. Com as equipas em igualdade numérica a batalha já era de extrema dificuldade. Com as expulsões foi sujeito a uma rixa desumana no miolo. Ainda teve forças para ir à área adversária fazer o golo. Digno dos melhores gladiadores.