O Gil Vicente visita o Sporting neste domingo (20h30), em encontro referente à 32.ª jornada da Liga. O técnico Ricardo Soares foi suspenso por 15 dias, mas acredita que estará no banco em Alvalade, depois de o clube ter apresentado uma providência cautelar no Tribunal Arbitral do Desporto (TAD).

«Muito sinceramente, acho que irei estar no banco, até porque sou dos que acredita que as regras são para todos. Utilizamos a mesma regra que outros anteriormente utilizaram para ir a jogo. Não me passa pela cabeça que agora possam existir duas regras. Se isso acontecer, sei que os meus jogadores estão preparados para chegar a Alvalade e fazer um jogo de acordo com o projetado», assumiu Ricardo Soares, em conferência de imprensa.

O treinador gilista já esteve ausente do banco de suplentes esta época no empate na visita ao Estoril (2-2), da oitava jornada, devido a expulsão, e na vitória em Vizela (1-0), da 22.ª ronda, depois de ter sido o primeiro treinador da prova a receber cinco cartões amarelos. Agora, foi suspenso por 15 dias após a expulsão no empate com o Paços de Ferreira (1-1), por «gestos e/ou linguagem ofensiva, insultuosa ou abusiva» para com a equipa de arbitragem liderada por Rui Costa

«Segundo o relatório, disse “isto é uma vergonha, vocês são uma vergonha”. Não sei qual é o objetivo disto. Somos aconselhados, e eu tenho essa preocupação, de não falar dos árbitros no final dos jogos. Aliás, até me faz confusão falar disto, mas tenho de fazer a minha defesa. Os responsáveis pela arbitragem e os árbitros, dizem que podemos falar com eles e não concordar com as suas decisões. Então, digam-me qual o adjetivo que tenho de usar num lance em que o país inteiro assistiu a um erro inqualificável», atirou, o técnico.

Ricardo Soares enaltece a postura da sua equipa: «Temos uma equipa que joga futebol de grande qualidade e tem a preocupação de não rodear árbitros. Eles tiveram um comportamento fantástico em privilegiar o jogo. Não treino anti-jogo e estou constantemente a dizer aos meus jogadores para não se atirarem para o chão, de forma que o jogo possa ser limpo. Faço questão de ter estes valores no meu dia-a-dia para não ganhar a qualquer custo, mas de forma limpa e justa.»

«A ausência do banco tem sempre o impacto natural de um líder que não está presente para jogos importantíssimos. Faltam três jogos para acabar o campeonato e gostava de estar a falar de um duelo contra uma excelente equipa, um grandíssimo treinador e um clube que tem dado passos largos numa evolução excelente para estar mais perto de títulos. Do meu lado, o clube dá-me todas as condições para ter sucesso», finalizou Ricardo Soares.