A última vitória de uma equipa estreante (apenas o primeiro lugar) aconteceu em 1977 com a Wolf, no GP da Argentina. Recorde-se que a Brawn GP conseguiu atingir este resultado histórico após meses de incerteza. Em Dezembro a Honda anunciou o abandono e parecia certo que toda a equipa teria de enfrentar o desemprego. Muitos falaram ainda na possibilidade de Rubens Barrichello se reformar, mas Ross Brawn salvou a ex-escuderia Honda e já demonstrou que tem um carro competitivo para a temporada 2009.

O inglês Jenson Button, que já conquistara a «pole position», dominou a corrida desde o arranque. O brasileiro, que teve problemas na largada, foi beneficiado pelo acidente entre Robert Kubica e Sebastian Vettel. Barrichello foi ultrapassado por cinco carros logo na largada. Depois o piloto da Brawn GP bateu e ficou com uma parte do carro danificada. Ao tentar ultrapassar Raikkonen, da Ferrari, voltou a bater e teve de mudar a peça na 20ª volta.

Rubens Barrichello preparava-se para a conquista da quarta posição, quando Kubica tentou disputar o segundo lugar com Vettel. Os dois pilotos chocaram, o que acabou por beneficiar outros condutores.

Jarno Trulli, que largou em último, devido a castigo aplicado à Toyota, conquistou a terceira posição em Melbourne, completando assim o pódio.

Lewis Hamilton, actual campeão do Mundo, partiu da 18ª posição. Fez uma boa prova e recuperou lugares. O piloto da McLaren ficou em quarto, aproveitando também o acidente entre Vettel e Kubica.

Fernando Alonso, da Renault, ficou no sexto lugar, depois de perder o duelo com Timo Glock, da Toyota, nas últimas voltas.