«A equipa que ataca, que oferece algo, não pode acabar com os mesmos amarelos que a equipa que está sempre a interromper o jogo. O segundo cartão amarelo para o Ballack era demasiado claro, uma vez que o Iniesta ia entrar na área e ficava sozinho», disse o técnico espanhol, no final do encontro.

Guardiola desvalorizou ainda a exibição apagada de Messi, defendendo que o argentino «nunca joga mal». «No intervalo falámos para procurá-lo mais, mas uma defesa tão cerrada não é fácil para os avançados», acrescentou.