Ansu Fati, avançado de 21 anos, volta a fazer furor em Bissau – de onde é natural – desta feita graças à oferta de cirurgias oftalmológicas a centenas de guineenses. Ainda que resida na Catalunha, jogue no Barcelona e represente a seleção de Espanha, o jovem avançado não esquece o país natal.

Como tal, Fati enviou para Bissau uma equipa de 10 médicos espanhóis, que, entre 1 de julho e esta segunda-feira, montaram «quartel-general» no orfanato Casa Emanuel – nos arredores de Bissau – a fim de operar guineenses com problemas de oftalmologia, como cataratas.

Cinco dias foram suficientes para apoiar 407 pessoas. Conforme conta Campum Mané, tio do jogador e responsável pela fundação, cada operação às cataratas poderá rondar, em Espanha, os três mil euros.

«Aqui na Guiné, com a ajuda do Ansu Fati, temos isso de graça. Quer partilhar o que ganha com os seus irmãos guineenses. Não é primeira vez que faz uma iniciativa deste tipo. No ano passado fez o mesmo na região de leste», recorda Campum Mané.

O referido orfanato, tutelado por missionárias da Costa Rica, recebeu obras de requalificação, também pagas pela Fundação Ansu Fati.

No futuro, o país poderá beneficiar de projetos de âmbito educativo e da construção de infraestruturas sociais, conforme avançou Campum Mané.

Ansu Fati está de regresso ao Barcelona, onde integrará a pré-época de Ansi Flick. Na última época, o avançado espanhol esteve emprestado ao Brighton, acumulando 27 jogos, quatro golos e uma assistência.

Se este apelido – Fati – lhe é familiar, talvez o primo de Ansu seja o responsável. De 2013 a 2023, Ença Fati – também avançado – construiu carreira em Portugal, jogando, por exemplo, por Moreirense, Casa Pia, Leixões, Feirense, Oliveirense ou Mafra. Na última época rumou à II Liga da Arábia Saudita.