O último bicampeonato benfiquista tinha acontecido em 1982-84 com Sven-Goran Eriksson como treinador, na primeira passagem do sueco pela Luz. Na década de 80, o Benfica começava a perder o domínio do futebol português que registava em números desde a década de 60.

Com o primeiro bicampeonato na década de 30, o de Eriksson fechou um ciclo de domínio de três décadas, quando os outros pares de títulos consecutivos do Benfica aconteceram nos anos 60 (três) e 70 (outros três).

À sexta época (consecutiva) na Luz, Jorge Jesus já é o treinador com mais tempo no banco do Benfica (desde que há campeonatos). O treinador de 60 anos junta-se agora ao grupo dos bicampeões e dos que ganharam três campeonatos com os encarnados – entre os portugueses é uma estreia em qualquer dos registos.

Mário Wilson ganhou um campeonato, Toni ganhou dois (em épocas separadas por cinco anos). O terceiro título de Jesus coloca-o também no topo da história Benfiquista – a um título do recorde na Luz, de Otto Glória. Em seis anos, o Benfica de Jorge Jesus voltou a dividir o domínio dos títulos (três) com os (mesmos) ganhos pelo FC Porto.

Treinadores campeões pelo Benfica:

Lipo Herczka (3 títulos); Janos Biri (3); Ted Smith (1); Otto Gloria (4*); Bela Guttmann (2); Elek Schwartz (1); Lajos Czeizler (1); Fernando Riera (2); Jimmy Hagan (3); Mário Wilson (1); John Mortimore (2); Milorad Pavic (1); Lajos Baroti (1); Sven-Goran Eriksson (3); Toni (2); Giovanni Trapattoni (1); e Jorge Jesus (3).

* Otto Glória ganhou o seu terceiro de quatro títulos depois de substituir Fernando Cabrita, que já tinha substituído Fernando Reira.

Treinadores quer deram o bicampeonato ao Benfica.

Lipo Herczka: 1935-37 (fez o «tri» em 1937/38); Janos Biri: 1941-43; Béla Guttman: 1959-61; Fernando Riera: 1966-68; Otto Glória: 1967-69; Jimmy Hagan: 1970-72 (fez o «tri» em 1972/73); Sven-Goram Eriksson: 1982-84; e Jorge Jesus: 2013-15.

Títulos do Benfica e treinadores campeões:

35/36 Lipo Herczka (Hungria)

36/37 Lipo Herczka (Hungria)

37/38 Lipo Herczka (Hungria)

41/42 Janos Biri (Hungria)

42/43 Janos Biri (Hungria)

44/45 Janos Biri (Hungria)

49/50 Ted Smith (Inglaterra)

54/55 Otto Glória (Brasil)

56/57 Otto Glória (Brasil)

59/60 Béla Guttman (Hungria)

60/61 Béla Guttman (Hungria)

62/63 Fernando Riera (Chile)

63/64 Lajos Czeizeer (Hungria)

64/65 Elek Schwartz (Roménia)

66/67 Fernando Riera (Chile)

67/68 [Fernando Riera (Chile), Fernando Cabrita e] Otto Glória (Brasil)

68/69 Otto Glória (Brasil)

70/71 Jimmy Hagan (Inglaterra)

71/72 Jimmy Hagan (Inglaterra)

72/73 Jimmy Hagan (Inglaterra)

74/75 Milorad Pavic (Hungria)

75/76 Mário Wilson

76/77 John Mortimore (Inglaterra)

80/81 Lajos Baroti (Hungria)

82/83 Sven-Goran Eriksson (Suécia)

83/84 Sven-Goran Eriksson (Suécia)

86/87 John Mortimore (Inglaterra)

88/89 Toni

90/91 Sven-Goran Eriksson (Suécia)

93/94 Toni

04/05 Giovanni Trapattoni (Itália)

09/10 Jorge Jesus

13/14 Jorge Jesus

14/15 Jorge Jesus

[* a negro e a itálico (em alternância) estão assinalados os bi ou tricampeonatos do Benfica]

Jorge Jesus é o 17º treinador campeão nacional pelo Benfica, como já o era desde 2009/10 Com três títulos de intervalo para o FC Porto, Jesus ganhou, então, o título de campeão em 2013/14 e, consecutivamente, o desta época.

Recordista de tempo passado no banco do Benfica, Jesus entrou para o segundo patamar de todos os treinadores campeões com o Benfica. O brasileiro Otto Gloria venceu quatro campeonatos nacionais no comando técnico do Benfica sendo o treinador mais bem sucedido na história da primeira divisão portuguesa, com cinco troféus no currículo, pois deu em 1966 o título ao Sporting.

No panorama geral do país, desde que há um campeão nacional, há 81 anos, foram 47 os treinadores que ergueram o troféu no final da época representando 12 nacionalidades e cinco emblemas. Há uma natural supremacia dos portugueses, com a Hungria e a Inglaterra muito bem representadas na lista de vencedores. E Jesus, entre os pares lusitanos, também já está no topo.

Treinadores campeões nacionais de Portugal:

20 portugueses (32 títulos):

Jorge Jesus (3); Jesualdo Ferreira (3); Artur Jorge (3); António Oliveira (2); Cândido de Oliveira (2); J. M. Pedroto (2); José Mourinho (2); Toni (2); Vítor Pereira (2), André Villas-Boas, Augusto Inácio, Augusto Silva, Fernando Mendes, Fernando Santos, Fernando Vaz, Jaime Pacheco, Juca, Mário Lino, Mário Wilson; e Tavares da Silva.

7 húngaros (15 títulos):

Béla Guttmann (3); Janos Biri (3); Josef Szabo (3); Lipo Herczka (3); Lajos Baroti; Lajos Czeizler; e Mihaly Siska.

7 ingleses (13 títulos):

Jimmy Hagan (3); Randolph Galloway (3); Bobby Robson (2); John Mortimore (2); Malcolm Allison; Robert Kelly; e Ted Smith.

3 brasileiros (8 títulos):

Otto Glória (5); Carlos Alberto Silva (2); e Dorival Yustrich.

2 romenos (2 títulos):

Elek Schwartz; e Laszlo Bölöni.

2 jugoslavos (2 títulos):

Milorad Pavic; e Tomislav Ivic.

1 sueco (3 títulos):

Sven-Goran Eriksson (3).

1 chileno (2 títulos):

Fernando Riera (2).

1 austríaco:

François Gutkas.

1 uruguaio:

Enrique Fernandez.

1 italiano:

Giovanni Trapattoni.

1 holandês:

Co Adriaanse.