O Independiente del Valle, de Renato Paiva, garantiu na quinta-feira um lugar da Taça sul-americana, ao empatar 1-1 no reduto do Defensa y Justicia, na despedida da Libertadores, e contar com a ajuda do Palmeiras, de Abel Ferreira.

Na última ronda do Grupo A, a formação equatoriana esteve a vencer, com um tento de Joffre Escobar, aos 11 minutos, de cabeça, após canto de Efrén Mera, com os argentinos a empatar aos 36, por Braian Romero, assistido por Enzo Fernández.

Aos 80 minutos, o argentino Christian Ortiz teve uma soberana ocasião para dar o triunfo ao onze de Renato Paiva, mas atirou uma grande penalidade para as nuvens.

O jogo entrou para a história da Taça Libertadores por ter sido o primeiro arbitrado por uma equipa 100% feminina: a brasileira Edina Alves teve como assistentes a compatriota Neuza Back e a chilena Cindy Nahuelcoy, enquanto a também chilena Maria Belén Carvajal foi a quarta árbitra. 

No outro encontro, o Palmeiras recebeu e goleou por 6-0 o Universitario, que ficou reduzido a 10 unidades aos 17 minutos, por expulsão de Alberto Quintero, ficando, assim, impossibilitado de lugar pelo terceiro lugar.

Com mais um, os campeões em título chegaram, tranquilamente, à goleada, com tentos de Matías Viña (42) e Zé Rafael (45+2), na primeira parte, e do paraguaio Gustavo Gómez (55), Willian (61) e o suplente Rony (77 e 90), na segunda.

Na classificação, o Palmeiras, apurado desde a quarta ronda, totalizou 15 pontos, contra nove do Defensa y Justicia, que se tinha qualificado à quinta. O Independiente del Valle foi terceiro, com cinco, e o Universitario quarto, com quatro.

Para os oitavos da Taça Libertadores, juntamente com Palmeiras e Defensa y Justiça, seguem mais cinco equipas brasileiras (Internacional, Fluminense, São Paulo, Flamengo e Atlético Mineiro) e outras tantas argentinas (Boca Juniors, River Plate, Racing Avellaneda, Argentinos Juniors e Velez Sarsfield).

Além destes 12 representantes dos dois grandes da América do Sul, qualificaram dois clubes paraguaios (Olimpia Assunção e Cerro Porteño), os equatorianos do Barcelona e os chilenos do Universidad Católica.

De fora, ficaram, entre outros, quatro anteriores campeões, os brasileiros do Santos, vice-campeões em título, os uruguaios do Nacional e os equatorianos do Liga de Quito, que seguem para a Taça sul-americana, e os colombianos do Atlético Nacional.

Além de Santos, Nacional, Liga de Quito e Independiente del Valle, também vão para a segunda prova da CONMEBOL o Deportivo Táchira (Venezuela), o Junior Barranquilla e o América de Cali (Colômbia) e o Sporting Cristal (Peru).