O ex-internacional argentino Ariel Ortega falou à Radio Ciudad sobre a sua relação com Marcelo Bielsa, nos tempos em que o técnico orientava a albiceleste

Burrito Ortega, dono de uma personalidade um tanto ou quanto peculiar, sempre se fez notar em todos os clubes por onde passou e a seleção argentina não foi exceção. 

«Com Bielsa tive alguns diferendos. Uma vez insultei-o e disse 'Adeus, não me convoques mais', mas não foi isso que aconteceu. Entendia da forma que eu era, que tinha reações mais a quente, mas depois não ripostava. Arrependia-me um segundo depois e pedia desculpa. [Ele] também no momento em que me dava o sermão pedia desculpas», afirmou o ex-jogador na emissora argentina.

 

Apesar de uma relação de altos e baixos, Ortega mostra-se muito agradecido com o que aprendeu com El Loco, que atualmente orienta os ingleses do Leeds United. 

«Tive grandes treinadores, mas creio que se tivesse tido Bielsa durante os meus 20 anos, teria sido um melhor jogador, sem dúvida. Marcou-me muito», confessou o argentino de 45 anos. 

O antigo médio contou ainda o que o treinador argentino lhe pedia quando era hora de enfrentar o ex-lateral esquerdo Roberto Carlos quando jogavam frente ao Brasil. 

«Jogamos três vezes contra o Brasil e Roberto Carlos havia só um, o único. A forma de jogar de Bielsa era sempre no meio campo adversário e eu jogava sempre no ataque. Ficou pré-estabelecido que eu iria marcar o Roberto Carlos, mas não foi bem assim. Bielsa não me disse que eu tinha de segui-lo, mas nós jogávamos sempre de homem para homem. Ele [Bielsa] sempre me deu muita liberdade dentro de campo, simplesmente queria que mantivéssemos a nossa posição», explicou Burrito Ortega. 

Marcelo Bielsa, lembre-se, orientou a albiceleste durante seis temporadas (1999-2004), mudando-se depois para o Chile ao comando da seleção chilena.