A Federação Internacional das Associações de Futebolistas Profissionais (FIFPro) mostrou-se, esta sexta-feira, «preocupada» com a decisão de vários clubes europeus dispensarem jogadores ou baixarem-lhes unilateralmente os salários, como reflexo da pandemia da covid-19.

«Estamos extremamente preocupados que um número significativo de clubes, em mais de meia dúzia de países, tenha começado a dispensar jogadores ou a reduzir unilateralmente os seus salários», denunciou a FIFPro, em comunicado, pedindo «acordos proporcionais e justos» face à realidade dos respetivos países e da contingência atual no desporto, pelas «dificuldades financeiras» desencadeadas pelo novo coronavírus.

A exemplo, em Espanha, o Barcelona anunciou uma redução de salários. Na Escócia, o Hearts convidou os seus futebolistas a reduzir o salário para metade, ao passo que vários clubes franceses e alemães privaram os atletas de parte do seu rendimento.

«É preciso encontrar soluções com a contribuição de todos. A maioria dos jogadores de futebol fora das maiores ligas do mundo ganha ao mesmo nível, se não menos, do que o salário médio do país e seria seriamente afetada por cortes salariais», completa a FIFPro.