O agora senador pelo estado do Rio de Janeiro teceu duras críticas à FIFA, que considerou tratar-se de uma organização «corrupta». «Dentro dela existe um cartel. Alguns foram presos e outros serão. Penso, espero e rezo todos os dias para que o mesmo aconteça a Blatter», disse o antigo internacional brasileiro.

Sobre Platini, Romário foi mais comedido nas críticas mas continuou ao ataque. «Blatter é o cabecilha desta escola de malfeitores e pessoas que podem influenciar o mundo do futebol. Não penso que Platini seja corrupto, mas a forma como dirige a UEFA não é a melhor, não há nada de positivo na sua gestão», referiu.

Romário considera que a candidatura do seu compatriota Zico é positiva, mas não acredita que o antigo médio brasileiro possa suceder a Joseph Blatter.

«A certeza é que não está corrompido e por isso votaria nele. Mas penso que não terá qualquer hipótese, a CBF [Confederação Brasileira de Futebol] não o apoia», adiantou Romário.

Além de Platini e Zico, o príncipe jordano Ali bin Al Hussein e o sul-coreano Chung Mong-Joon, ambos antigos vice-presidentes do organismo, também são candidatos.