O suíço Gianni Infantino é o novo presidente da FIFA, sucedendo a Joseph Blatter no cargo mais importante do futebol mundial até 2019.

O antigo secretário-geral da UEFA recolheu 115 votos na segunda votação, ficando à frente de Salman al-Khalifa, com 88. Ali Bin Al-Hussein ficou-se pelos quatro votos no Congresso Extraordinário do organismo supremo do futebol mundial, que teve lugar em Zurique.

Recorde-se que o sul-africano Tokyo Sexwale retirou-se da votação antes da primeira votação na qual foi eliminado o francês Jerôme Champagne.

Infantino já tinha sido o candidato preferido na primeira votação, com um total de 88 votos.

«Tem sido uma viagem excepcional, conheci muitas pessoas fantásticas que adoram futebol, que respiram futebol. Quero ser o presidente de todos vós, de todas as 209 nações.Quero trabalhar com todos vocês para trabalharmos juntos e construirmos uma nova era em que possamos colocar o futebol no centro do palco», disse o novo presidente da FIFA num curto e emocionado discurso logo após o anúncio do resultado da votação decisiva.

Gianni Infantino chega à presidência da FIFA aos 45 anos.  

Recorde-se que, em dezembro, o antigo presidente, Joseph Blatter, foi afastado do futebol por oito anos depois da Câmara Adjudicatória do Comité de Ética da FIFA ter considerado que o então dirigente (tal como Michel Platini) tinha violado vários artigos do Código de Ética do organismo, entre os quais os que diziam respeito a subornos, corrupção, oferta, aceitação de prendas e outros benefícios, bem como conflitos de interesses e deveres de lealdade.