Mas foi suficiente.

O abraço sorridente de Jesualdo Ferreira ao adjunto José Gomes sintetiza o momento, um dos mais felizes da carreira do treinador do F.C. Porto.

Para este sobe, isso basta. Ao colocar o F.C. Porto nos «quartos» da Liga dos Campeões, Jesualdo Ferreira escreveu uma das mais bonitas páginas da sua carreira. E bem a merece.

Se o leitor acompanha esta coluna com alguma atenção já por aqui encontrou alguns elogios a Jesualdo Ferreira. Não é coincidência. Do meu ponto de vista é um dos melhores treinadores portugueses das últimas décadas.

E também um dos menos expansivos, o que limita a percepção que dele têm os adeptos. A começar pelos do F.C. Porto, claro.

Face ao trabalho realizado desde que está no Dragão, não consigo entender por que razão não decidiu já o F.C. Porto anunciar a renovação. Sim, porque mesmo que o título acabe por tombar para a Luz ou Alvalade, acho que Jesualdo Ferreira deve continuar. Conhece a casa, é disciplinado, mantém excelente relação com as pessoas que dirigem o futebol do clube e demonstrou esta época que tem a força suficiente para suportar mesmo os dias mais difíceis.

P.S.: Já agora, também acho que Benfica e Sporting ganhariam se mantivessem Quique Flores e Paulo Bento. E escrevo-o a esta distância da temporada porque acho que o trabalho de ambos tem sido bom. Seja qual for o desfecho do campeonato.