Mas comecemos mesmo pelo que se passa dentro dos relvados. Jesualdo Ferreira recordou a derrota de quarta-feira na Reboleira e, apesar de ter repetido as críticas à actuação da sua equipa, associou o resvalar do rendimento à saída de Hulk por lesão.

«Passámos a eliminatória, que era um dos objectivos, mas perdemos. E não gostámos. O jogo não foi o que queríamos. Mesmo que tivéssemos empatado ou ganho não teria gostado daquele jogo. Utilizámos uma série de jogadores que têm jogado menos, mas entrámos fortes e fizemos um golo. A partir desse momento saímos um pouco da partida, mas controlámos bem até à lesão do Hulk. Uma equipa que sofre com estes acidentes percebe o que isto significa. Às vezes eles motivam, mas neste caso não aconteceu isso», referiu Jesualdo.

Ainda sobre a lesão do atacante, Jesualdo aproveitou para partilhar aquilo que defende para todas as equipas que treina: respeitar o jogo e o público. «Ao longo destes anos todos tive sempre uma ideia clara: proteger e promover o jogo. Essa perspectiva baseia-se num conjunto de princípios diários. É importante que a equipa seja séria, respeite os árbitros, o público e a profissão. Não gosto que os meus jogadores se atirem para o chão e discutam com os árbitros. Mas às vezes isso acontece. Assim, entendo que há que criar condições para que o jogo seja mais atractivo e tenha mais público.»