«Vai haver golos para as duas equipas»

«Como tenho dito, e este é o pensamento do grupo, a meta é o campeonato. Nessa medida, o mais importante foi o jogo na Madeira. Entre a Liga Europa e a final com o F.C. Porto, se pudéssemos escolher, preferia vencer a Liga Europa», começou por dizer o treinador encarnado, na antevisão do embate com o Marselha.

Jorge Jesus reforçou a tese, prometendo entrega máxima após o empate a um golo, no Estádio da Luz. «Na época passada, o Benfica foi afastado na fase de grupos, queremos recuperar o prestígio do clube. Se tivermos de arriscar em relação ao desgaste da equipa, vamos fazê-lo, independentemente do jogo de domingo que, para nós, entre estas duas provas, é secundário.»

Jesus admite que hipóteses não são idênticas

Já antes, o técnico dera essa mesma indicação, quando colocado perante a prioridade do treinador adversário, Didier Deschamps, que tem como meta ser campeão francês. «Temos vários objectivos, mas se me perguntam qual é o principal, é ser campeão», disse, numa ideia que tem vindo a repetir.

«Agora, estamos noutra prova em que o prestígio do Benfica tem sido perfeito», completa, continuando um discurso optimista: «Passando esta eliminatória chegaremos aos quartos-de-final onde vão estar os melhores. São provas distintas, mas não invalida a nossa ambição de passar.»

O tema da rotatividade surgiu, como era óbvio, na conferência de imprensa, até porque o calendário encarnado tem estado apertado. «Houve os dias necessários para a recuperação total, todos estão recuperado, dentro desta ideia vamos trabalhar no plano táctico, porque no plano físico tenho os jogadores todos em condições», declarou, salvaguardando depois a ausência de César Peixoto, que ficou em Lisboa, lesionado.

Obrigado a marcar no Vélodrome, Jesus mantém-se fiel ao estilo Benfica. «Cada jogo tem uma estratégia diferente, mas temos um modelo de jogo definido e será esse que iremos seguir amanhã», rematou.