Conselho Justiça confirma redução a Hulk

«A única via que consigo conceber neste momento é uma acção de responsabilidade civil contra a própria Liga, que também é de difícil concretização e de reunir os pressupostos para que tenha lugar», disse o conhecido especialista em direito desportivo à Agência Lusa.

De acordo com José Manuel Meirim, os representantes dos jogadores e do F.C. Porto terão de «ponderar se estão reunidos todos os pressupostos» para a acção ser levada a cabo, e «apresentar a questão em tribunal».

F.C. Porto quer ser indemnizado

A Liga não pode ser posta em causa nem do ponto de vista legal, nem do ponto de vista regulamentar, segundo as palavras de Meirim. O F.C. Porto e os representantes dos jogadores em causa terão que «provar o nexo de causalidade entre os danos causados e a situação verificada.»

Na origem da decisão da Comissão Disciplinar da Liga estarão os motivos da classificação da transgressão disciplinar do órgão, que se baseava na qualificação dos stewards como intervenientes do jogo, enquanto o Conselho de Justiça considerou tratar-se de público.