Braga, vivo e bem vivo

Não marcava há seis meses, mas hoje fez dois golos. A maldição do Dragão, lançada a 25 de Outubro, acabou finalmente. O avançado do Leixões bisara no estádio do F.C. Porto, fizera as primeiras páginas dos jornais, mas não mais conseguira confirmar as expectativas criadas. 20 jornadas depois, aí está ele de novo. No primeiro golo beneficiou da incompetência de Nílson e da tolerância do árbitro Pedro Henriques; no segundo, mérito total para um pontapé forte, rasteiro e colocado. Confirma-se: Braga, nome indesejado para os lados de Guimarães.

Beto, aquele minuto 22

Actuação marcada por intervenção decisiva aos 22 minutos. Nesse instante, o Vitória teve tudo para fazer o 0-2. Roberto surgiu-lhe pela frente, desviou com codícia para o golo e Beto, instintivo e elástico, manteve a diferença mínima. A recuperação do Leixões terá começado nesta defesa. No segundo golo do Vitória, choca com um adversário e perde a possibilidade de anular o golo de Desmarets.

Sereno, seja bem aparecido

Tanta falta fez à defesa vimaranense ao longo de sete meses. Marcou presença apenas pela segunda vez na Liga (actuara na terceira jornada) e confirmou os rótulos conquistados na preteria temporada: tranquilo, bom tecnicamente, correcto, Sereno de corpo inteiro. O Vitória estaria certamente bem melhor se uma grave lesão não lhe tivesse estragado o ano desportivo.

Nílson, o erro e a redenção

Abusou da sorte e foi castigado. Mesmo que Braga tenha cometido infracção no primeiro golo do Leixões (a confirmar via TV), não dá para entender o que pretendeu o guarda-redes do Vitória. Segurou a bola, quis enervar o adversário e acabou a prejudicar gravemente a equipa. Naquela situação só tinha uma coisa a fazer: bater a bola para a frente. Não o fez e foi punido com um golo. Viria mais tarde a redimir-se com duas extraordinárias intervenções: primeiro evitou auto-golo de Custódio e depois voou para agarrar um cabeceamento de Braga.

Marquinho, crescimento sustentado

Oportuno a fazer o 2-2. Tem faro pelo golo, é muito rápido e sabe como tratar a bola. Cresceu imenso desde a última temporada. Manuel Cajuda encontrou em Marquinho um bom extremo.