Carlos Carvalhal experimentou na pele uma das verdades mais velhas no mundo da bola: a de que os treinadores estão condenados a assumir culpas e a repartir méritos. O novo sistema do Sporting, em torno da dupla Mendes-Veloso, passou o segundo teste exigente em quatro dias. Mais do que a vantagem recuperada na defesa do quarto do lugar e das consequências da vitória sobre o F.C. Porto nos lugares da frente, o jogo de Alvalade terá consolidado o figurino que vai permitir ao leão terminar a época com a dignidade possível.

Vencedores antecipados da ronda, por terem ganho no sábado, Benfica e Sp. Braga esperaram por domingo à noite para confirmar o «jackpot». A equipa de Jorge Jesus manteve a chama acesa a meio da semana, contra o Hertha. Com o mesmo resultado e o mesmo protagonista. Se na terça-feira, Di Maria brilhara pelos dribles e as assistências, no sábado destacou-se por um aspecto nunca antes evidenciado nos relvados portugueses: a capacidade goleadora.

Em Braga, o efeito portas abertas não permitiu repetir a enchente de há duas semanas, com o Marítimo. Mas os nove mil espectadores presentes assistiram ao relançamento da candidatura ao título, fechando as feridas da goleada no Dragão. Os primeiros minutos inquietaram, e voltaram a demonstrar que a solidez defensiva já não é a mesma de outras jornadas. Mas a primeira reviravolta da época confirmou, pelo menos, que a solidez mental continua no sítio. Com um ponto de diferença para o líder e oito de vantagem sobre o F.C. Porto, todos as formas de continuar a fazer História estão em aberto.

Contas do título à parte, a jornada consolidou a candidatura do V. Guimarães à Europa, à frente de um extenso pelotão que só acaba quatro pontos mais abaixo, no Marítimo. Com três outsiders ao barulho (Paços, Rio Ave e U. Leiria), destaque para a quebra do prolongado jejum do Nacional, que acentuou a crise de um Belenenses cada vez mais descrente.

Numa jornada sem empates e com 25 golos marcados, Leixões, V. Setúbal e Olhanense, todos derrotados neste fim-de-semana, parecem condenados a decidir entre si o outro lugar abaixo da linha de água despromoção.