«A garrafa está boa. Não partiu, nem nada»

(Paulo Bento, treinador do Sporting, comentando o momento em que, irritado com uma decisão do árbitro, pontapeou uma garrafa de água para perto do banco do F.C. Porto)

Depois de um clássico crispado e de três dias sob pressão intensa, após o desaire com o Bayern, o suspiro de alívio de Paulo Bento pelo empate no Dragão traduziu-se num momento de puro nonsense.

Perante o cenho franzido dos adeptos e dos próprios jornalistas, face a 90 minutos de faca nos dentes e bola no bolso, o técnico começou por desmontar qualquer possibilidade de caso, justificando por que razão o seu gesto nunca poderia ser associado a uma intenção hostil: «Nem com o pé direito tinha força, quanto mais com o esquerdo...». E depois, como com os bons humoristas, veio a punch line no tempo certo, a devolver um sorriso ao futebol.