«Aconteceu-nos alguma coisa, mas não sei o quê»

(Elvis, defesa do Leixões, comentando a má exibição da equipa e a goleada sofrida com o F.C. Porto)

Quatro golos sofridos, pela primeira vez esta época. Pelo menos duas ofertas de todo inabituais. Que, a juntar às deixadas no estádio da Luz, uma semana antes, parecem anunciar o fim do estado de graça para os homens do Mar. Da equipa destemida e confiante das primeiras jornadas, este sábado sobraram apenas 20 minutos, antes de o F.C. Porto, mesmo em regime de poupança, passar por cima da equipa de José Mota como ainda não se tinha visto esta época. Nesse sentido, a frase de Elvis é lapidar, por tudo o que representa de desorientação: é o equivalente futebolístico ao «alguém anotou a matrícula?» nos casos de atropelamento e fuga.