«Ninguém trabalha de graça»

Hugo, jogador do Vitória de Setúbal, em declarações à RTP, após a derrota sofrida no reduto do F.C. Porto (2-0).

É fácil concordar com a declaração do jogador sadino, mas no futebol português esta frase é cada vez menos uma verdade. O Vitória de Setúbal é apenas um dos clubes que tem problemas financeiros, e que tem profissionais a atravessar momentos complicados. O defesa disse, de resto, que espera que esta «seja uma situação banida». Está em causa não só o futuro de vários clubes, como também a vida pessoal e familiar dos jogadores. Mais do que isso, é a credibilidade do futebol português e a própria verdade desportiva que são colocadas em causa. O flagelo cresce, e é preciso colocar um ponto final.