Os leões foram os primeiros a entrar em campo. Em Alvalade, Liedson e Derlei combinaram nos golos e deram um triunfo tranquilo ao Sporting, de Paulo Bento. A formação de Paulo Bento cumpria e ficava à espera do que iriam fazer o F.C. Porto, logo a seguir, no Estádio do Mar, e o Benfica, que no domingo jogava na Figueira da Foz.

O campeão nacional tinha, à partida, o encontro mais difícil. Visitava o vizinho Leixões e, como se não bastasse a rivalidade, havia um quarto lugar que os matosinhenses queriam defender a todo o custo. Só que os azuis e brancos demonstraram força enorme, chegaram a golear por 4-0, e só um erro de Helton amenizou a derrota leixonense. O F.C. Porto sacudia a pressão com um dos melhores jogos da temporada.

Já o Benfica entrava em campo a saber que os rivais tinham ganho. E entrou bem, com um golo de Aimar, aos dois minutos. Porém, como tem sido habitual, a equipa de Quique Flores sofreu até ao fim para bater uma Naval que chegou ao empate, mas que não resistiu à segunda bola parada de Reyes, que originou o golo decisivo de Katsouranis.

V. Setúbal a subir

Na luta pela Europa, nenhuma vitória. O Leixões perdeu, o Sp. Braga empatou frente a um «sobrevivente» Estrela da Amadora e o Nacional perdeu no Bonfim, com o V.Setúbal. O Marítimo salvou-se no último minuto em Vila do Conde e empatou com o Rio Ave.

Os sadinos foram, aliás, os grandes vencedores da jornada. Fechavam a ronda com o Nacional e sabiam que uma derrota os deixava bem no fundo da tabela. Com os três pontos, sobem vários lugares, ultrapassando os aflitos Trofense e Rio Ave e deixando o Belenenses na última posição: os de Belém perderam no D. Afonso Henriques, onde Manuel Cajuda fez as pazes com os resultados. De resto, a vitória da Académica sobre o Trofense deu à equipa uma tranquilidade estranha para o que se tem visto nas últimas épocas e permitiu à Briosa, inclusive, entrar nos dez primeiros.