O Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol deu esta terça-feira provimento, e por unanimidade, aos recursos do V. Guimarães e Estoril que defendiam a nulidade do ato eleitoral na Liga de Clubes

De acordo com o comunicado do Conselho de Justiça, a candidatura encabeçada por Fernando Seara reunia todas as condições para ir a votos, pelo que não devia ter sido afastada pela Mesa de Assembleia-Geral.

Ora por isso, o Co nselho de Justiça deliberou que as eleições fossem repetidas e com a presença dea candidatura de Fernando Seara.

Mas há mais.

A lista D, encabeçada por Mário Figueiredo, e que devido à eliminação de todas as outras candidaturas foi candidata única nas últimas eleições, não devia ter sido admitida.

De acordo com o Conselho de Justiça, a lista de Mário Figueiredo «tem deficiências nos preponentes». No entanto, essas deficiências podem ser corrigidas e Mário Figueiredo pode por isso participar na repetição das eleições, desde que corrija as tais deficiências.

Por decidir continua o recurso interposto por Rui Alves, o qual contestou o afastamento da respetiva lista por suspostas irregularidades.

O Conselho de Justiça considera que a eventual admissão de Rui Alves às eleições que terão de vir a realizar-se fica pendente da concessão de provimento ao respetivo recurso.

Ora nesse sentido, e em resumo, portanto, as eleições na Liga de Clubes que reelegeram Mário Figueiredo ficaram sem efeito, tendo de realizar-se novas eleições.

A lista de Fernando Seara é a única que está já para garantida, sendo que as listas de Mário Figueiredo e Rui Alves também o podem ser no futuro. Não serão admitidas novas listas.

Confira as explicações do vice-presidente do Conselho de Justiça, José Sampaio e Nora, em vídeo: