Kardec

Herói como Vata, mas desta vez sem mão ou ombro, como diz o angolano. Jesus apostou no brasileiro e em cima do apito final atirou à grande ponta-de-lança para o fundo da rede de Mandanda. Um golo que valeu muito, muito mesmo e leva o Benfica para os quartos-de-final da Liga Europa. Entrou como um desconhecido para os gauleses, mas saiu como herói encarnado.

Maxi Pereira

Mas que mal lhe fez o Marselha????? Assim, mesmo, com muitos pontos de interrogação, tal foi a apetência para marcar aos franceses. Fizera o golo encarnado na Luz, encheu o pé em França, com desvio de Cheyrou, e devolveu esperança a todo o Benfica. No Vélodrome, Maxi cheyrou o golo, deixou tudo em campo, fartou-se de subir pelo flanco e defendeu com toda a força da grandeza encarnada.

Di María

Tantas vezes com o diabo no corpo, tantas vezes sem força para atirar a contar na baliza do Marselha. Pela esquerda, abriu brechas na defesa francesa, arrancou com a vista no golo, rematou «sem olhar», nas melhores ocasiões encarnadas dentro de área. Em mais um jogo europeu, mostrou-se ao Velho Continente, que cada vez mais o conhece melhor, cada vez mais tem o nome do argentino na ponta da língua.

Cardozo

Goleador de serviço, bombardeiro paraguaio. Já se sabe que com o Tacuara não se pode esperar grandes primores técnicos, não se pode aguardar magia igual à de Saviola ou outro nascido em solo argentino. Mas lá de onde vem, no Paraguai, devem fazer sapatos à medida de bombas, pois foi mesmo uma que disparou ao poste de Mandanda. A acabar os 90 minutos, teve a glória no pé esquerdo, mas atirou para fora. Deu grande luta aos centrais e se mais não fez foi porque Mbia também esteve em bom plano e ganhou-lhe alguns duelos.

David Luiz e Luisão

Arrancou aplausos quando distribuiu técnica, passando a bola por cima de adversários. Teve pela frente o melhor marcador de França e, certamente, um dos mais difíceis que encontrou na Europa, enquanto central. David Luiz teve tarefa complicada, mas saiu dela com distinção, tal e qual o companheiro do lado. Luisão esteve em bom plano, com cortes precisos. A dupla deu segurança e foi apanhada em contra-pé no lance do golo.

Mbia

Em França, dizem que não gosta de jogar a central. O próprio o confessa. Deschamps não o ouve e faz em. Segurou até ao limite a onda encarnada, às vezes com exagero de força nos lances. O duelo com Cardozo foi intenso e duro, e Mbia saiu como o melhor dos franceses.

Niang

Toda a gente tinha avisado: atenção a Niang! «Engolido» por David Luiz e Luisão, surgiu quando menos se esperava, ao minuto 70, a aproveitar uma bola meio perdida na área do Benfica. Fez o golo francês, enfim, aquilo que se pede a um ponta-de-lança, mesmo que ande a «achar» quase todo o encontro.