A história do jogo começou a ser construída ainda na primeira parte, com um penalti que deixou dúvidas. Banega puxou Pizarro dentro da grande área, e o árbitro assistente levantou de imediato a bandeirola assinalando a falta. Frings encarregou-se da marcação da grande penalidade e não falhou.

Até ao final da primeira parte, de destacar duas grandes defesas do guarda-redes do Valência, César. No outro lado do campo foi o poste que ajudou o Werder Bremen a não sofrer. Banega, o autor da infracção que deu a grande penalidade ao Werder Bremen, disparou forte, mas o ferro negou-lhe a possibilidade de redenção.

O início da segunda parte foi agitado, com o guarda-redes do Valência a voltar a estar em destaque. César negou o golo a Pizarro, mantendo as hipóteses do Valência dar a volta ao resultado. E a reviravolta iria mesmo acontecer e ao minuto 57. Juan Mata deu um novo fôlego aos seus colegas de equipa ao empatar a partida.

O Valência a jogar com 10, devido à expulsão de Banega por agressão a Marin, estava novamente na disputa pelo resultado. Mas até ao final dos 90 minutos o resultado não se alterou. Os alemães conseguiram um empate precioso em solo espanhol, que lhes deixa boas hipóteses de conseguir o apuramento para os oitavos.