FIGURA:

Exibição de fato de macaco. O jogo pediu mais transpiração do que técnica no centro do terreno, Renato Sanches respondeu com trabalho e com garra. Travou um duelo intenso com Cafú, lutando mais do que propriamente evidenciando bom futebol. Quando teve oportunidade e quando o encontro assim permitiu vestiu o fato de gala para apontar um excelente golo e carimbar dessa forma os três pontos para a equipa da Luz.

MENÇÃO HONROSA: Pizzi

Tentou mexer com o jogo, desaparecendo, contudo, nos momentos de maior tensão e quando as quezílias iam tomando conta do encontro. De resto, quando teve bola tentou desequilibrar, procurou fluir o jogo e dar mais velocidade ao jogo do Benfica. Conseguiu-o, destacando-se como o elemento com mais capacidade para fazer a diferença e para esticar o jogo encarnado a toda a extensão do terreno de jogo. O melhor do Benfica, apenas não teve astúcia suficiente para resolver o encontro quando esteve na cara de Miguel Silva.

MOMENTO: bomba de Renato Sanches

O golo tardava, até porque o Benfica não mostrava soluções para abanar com as redes. Foi uma vez mais o miúdo a resolver a questão com uma bomba a quinze minutos do fim. O primeiro remate de Renato Sanches embateu em Bruno Gaspar, a ressaca teve selo de golo. Grande remate do cruzado do médio, ao ângulo da baliza do V. Guimarães, tornando o voo de Miguel Silva impotente para travar o remate estrondoso de Renato Sanches.

NEGATIVO: Carlos Xistra desorientado

Gaitán lesionou-se sozinho no início do segundo tempo. Cafú, o elemento do V. Guimarães que estava mais próximo, recuperou o esférico e começou a armar o ataque da equipa da casa. Passados alguns segundos Carlos Xistra decidiu parar o jogo para assinalar falta, mostrando ainda amarelo ao capitão da turma minhota. Estava completamente completamente descontrolado Carlos Xistra. Valeu que ainda se apercebeu do erro cometido e, depois de questionar Gaitán, voltou atrás na decisão. Acabou por remediar a má decisão, mas tratou-se de um erro difícil de compreender, até pelo tempo que a decisão demorou a ser tomada.

OUTROS DESTAQUES

Otávio

O elemento mais criativo do V. Guimarães, com mais talento para por à flor da relva e consequentemente com mais liberdade para criar. Imprimiu no jogo vimaranense os maiores rasgos, mas falhou quase sempre no último passe. Ainda assim, pela sua audácia, foi um dos melhores do conjunto de Sérgio Conceição.

Gaitán

Regressou aos relvados depois de ter estado praticamente um mês sem jogar. Não brilhou, mas assume-se como a principal referência da equipa encarnada. Mesmo numa noite de menor inspiração é constantemente solicitado pelos colegas, fazendo com que grande parte do jogo do conjunto de Rui Vitória passe pelos seus pés.

Pedrão

Estreia no principal escalão do futebol português, depois de ter alinhado na Taça da Liga. Primeira aparição num jogo grande, mas a verdade é que o defesa brasileiro rubricou uma exibição positiva, não se mostrando muito, mas ao mesmo tempo sem comprometer. Cumpriu sem dar nas vistas.

Raúl Jimenez

Mereceu a confiança de Rui Vitória depois de ter sido titular na Taça da Liga e apareceu no onze ao lado de Jonas. Não fez uma exibição propriamente de encher o olho, mas mexeu-se muito no ataque, provocou desequilíbrios e mexeu com o setor mais adiantado do Benfica.