A FIGURA: OSAMA RASHID

O iraquiano formado na Holanda é o pensador do futebol do Santa Clara a meio-campo. Serve sempre os companheiros com qualidade e está sempre em busca de um passe capaz de desequilibrar a equipa contrárias, seja em busca de um colega entrelinhas, seja numa variação de flanco. Esteve perto do golo aos 34 minutos, mas na baliza do Portimonense estava um guarda-redes inspirado. Marcou de penálti o golo que permitiu aos açorianos somarem um ponto.

 

O MOMENTO: penálti sobre João Afonso. MINUTO 78

O Portimonense estava confortável em campo e, na frente do marcador e em superioridade numérica, parecia a caminho de uma vitória importante. Alertado pelo VAR, o árbitro apontou para a marca dos 11 metros e o Santa Clara resgatou um ponto.

 

OUTROS DESTAQUES

Zaidu Sanusi: atuou do lado esquerdo do meio-campo, onde está a formar uma sociedade interessante com Mamadu Candé, quer no trabalho defensivo, quer no processo de construção. Veloz, protagonizou um par de arrancadas perigosas pelo corredor, a maioria na primeira parte, na qual esteve mais ativos

Gonda: gigante entre os postes. Aos 22 minutos negou um golo certo a Thiago Santana com intervenção candidata a defesa da jornada e pouco depois da meia-hora evitou que Osama Rashid inaugurasse o marcador. Teve também algumas importantes saídas dos postes, umas mais seguras do que outras, mas nenhuma que tivesse comprometido a equipa algarvia. Na segunda parte, menos trabalhosa, continuou a transmitir segurança aos companheiros, mas foi infeliz no lance do penálti sobre João Afonso, do qual nasceria o castigo máximo convertido por Rashid.

Willyan: foi o melhor da defesa do Portimonense. Sereno e com bom sentido posicional. Marcou de cabeça, mas o golo não chegou para ajudar os algarvios a somarem três preciosos pontos na luta pela manutenção.