A Figura: Ricardo Horta

De pé quente, ou melhor, a ferver. Fez o segundo e o quarto golo da sua equipa, em mais uma exibição consistente e positiva. Com o bis, Ricardo Horta chegou aos dez golos no campeonato e o quinto jogo consecutivo a faturar. Na primeira parte demonstrou eficácia ao aproveitar a situação que teve para fazer o gosto ao pé. No segundo tempo mostrou frescura para marcar mesmo em cima do final do encontro.

Momento do jogo: minuto 38

O segundo golo que travou as aspirações flavienses. O primeiro golo fez bem ao Sp. Braga que dominou o que restou da primeira parte, e com mérito e eficácia fez o segundo do encontro, com Ricardo Horta a finalizar, o que deu tranquilidade e permitiu gerir o encontro de outra forma, pois a vitória já não fugiu.

OUTROS DESTAQUES

 

Stephen Eustáquio

Segundo jogo a titular do reforço de inverno que os flavienses contrataram ao Leixões. O internacional sub-21 por Portugal continua a mostrar bons pormenores, sem  medo de pegar no encontro, transportar a bola da defesa para o ataque e sempre à procura de espaços para libertar os alas. Na segunda parte com missões mais defensivas entregou-se à luta na procura de recuperar bolas e manter a sua equipa ofensiva.

Domingos Duarte

O jovem central foi importante ao não permitir o avolumar do marcador na primeira parte. Aos 23 minutos tirou o golo a Vukcevic, e aos 32 foi Paulinho a ser travado pelo defesa que pertence ao Sporting. Com um ataque móvel pela frente, a sua velocidade e capacidade de antecipação livraram o Chaves de um resultado mais pesado.

Platiny

No primeiro toque na bola, o golo que os flavienses há muito procuraram. O avançado brasileiro aproveitou uma bola perdida para fazer um golo vistoso, o segundo consecutivo e o quinto da Liga.

Ricardo Esgaio

Uma máquina de criar golos. Em Chaves, durante os primeiros 45 minutos, conseguiu colocar por três vezes os seus colegas em situação de golo, fazendo a sua parte do trabalho. Aos 8 minutos Paulinho não aproveitou, aos 23 foi Vukcevic, e aos 38 Ricardo Horta fez o segundo do encontro. Decisivo na assertividade com que serve os seus colegas. Esteve mais apagado na segunda parte, mas foi também importante na missão defensiva.

Bruno Viana

Quando os seus colegas ainda não encontravam o fundo das redes, o central foi à frente mostrar como se faz, ao desmarcar-se bem num livre batido por Jefferson, atirando a contar. Antes, aos 11 minutos, tirou a bola a William num ataque do Chaves, quando o avançado se preparava para cabecear em boa posição. Aos 68 minutos impediu William de chegar à bola, numa ação defensiva que levantou polémica mas foi decisiva. Infeliz aos 76 minutos ao cortar para os pés de Platiny que fez o golo dos flavienses. Jogo seguro defensivamente, como é seu hábito.

Paulinho

Foi o primeiro a criar perigo e foi sempre uma seta apontada à baliza do Chaves, marcando apenas aos 73 minutos, mas com muita classe, num gesto técnico perfeito. Aos oito minutos e aos 84 teve as melhores situações para aumentar a sua contagem na Liga, que vai em 10 tentos.