A FIGURA: Muriel. Podiam tentar a noite toda 

Muriel: noite para recordar para toda a vida! Merece um lugar de destaque bem, acima até de Eduardo. Logo no minuto inaugural evitou o golo a Salvio e manteve-se num plano exibicional elevadíssimo. Aos 18’ ganhou no mano a mano com Seferovic, aos 20’ voltou a estar em destaque frente a Gedson e ainda defendeu um castigo máximo. Manteve a toada na etapa complementar: Jonas, Pizzi, Seferovic, André Almeida… podiam vir todos.

O MOMENTO: penálti falhado por Salvio – MINUTO 33

Já ninguém se lembrava daquela queda do extremo argentino na área do Belenenses quando Artur Soares Dias foi avisado pelo VAR. Depois de algum tempo a visionar as imagens, apontou para a marca dos onze metros. Salvio rematou para a esquerda de Muriel, que voou para travar o remate do argentino. Foi o princípio do descalabro encarnado no Jamor.

OUTROS DESTAQUES

Eduardo: Estreia em cheio do médio brasileiro com a camisola do Belenenses em jogos da Liga. Bateu de forma exemplar o penálti que colocou os azuis na frente do marcador e pouco depois arrancou desde o meio-campo defensivo para rasgar a defesa encarnada com um passe de morte para Keita. Antes disso tudo, já lhe tinha pertencido a primeira ocasião de golo da equipa de Silas, quando pôs Vlachodimos à prova com um remate acrobático.

Licá: cedo se percebeu que o ouro da equipa de Silas estaria no contra-ataque. Apareceu várias vezes na zona central à procura de surpreender nas costas dos defesas encarnados mas foi aos 32 minutos que foi premiado por isso, quando fugiu entre Rúben Dias e Jardel e acabou derrubado por Vlachodimos. Daí nasceu o penálti e a história do jogo começou a escrever-se nos tons que o leitor sabe. Teve nos pés o terceiro do Belenenses aos 71 minutos mas perdeu-o na cara do guarda-redes do Benfica.

Gedson: talvez o elemento mais irrequieto do Benfica nos primeiros 45 minutos. Muito ativo no jogo, aventurou-se por terrenos adiantados, acumulando boas tabelas com companheiros e muitas vezes em busca das costas da defesa azul. Esteve perto do golo aos 20 minutos.

Rafa: é possivelmente o maior desequilibrador individual do Benfica, mas tem uma relação complicada com a definição. Aos 17 minutos dispôs de uma grande ocasião negada por Diogo Viana. Apesar dos problemas que lhe são apontados, foi dos elementos da equipa de Rui Vitória que melhor se exibiram, forjando um punhado de jogadas de perigo desaproveitadas pelos companheiros.