O treinador do Famalicão, João Pedro Sousa, garantiu esta terça-feira que o objetivo é manter-se no comando técnico do clube, com o qual tem mais um ano de contrato, apesar do interesse de outros clubes.

«Houve clubes interessados no treinador do Famalicão. O presidente sabe disso, os jogadores sabem. Mas a única garantia que posso dar é que estou muito feliz no Famalicão, gosto muito do Famalicão e quero estar no Famalicão. Tenho mais um ano de contrato e o meu objetivo é cumpri-lo e ajudar o clube a crescer», assumiu, citado pela Lusa.

O técnico de 48 anos, antigo adjunto de Marco Silva, diz que a «competência» foi o principal fator que levou o Famalicão a, 25 anos depois do regresso ao principal campeonato, ter conseguido logo o sexto lugar. Um posto que podia ter sido outro – o quinto, que acabou nas mãos do Rio Ave – não fosse o empate ante o Marítimo, na Madeira (3-3), sofrido já nos instantes finais do tempo de compensação da 34.ª e última jornada, no passado sábado.

«Dependíamos de nós. Mas não conseguimos. Sabemos que não chegámos lá só por causa destes dois últimos jogos. Temos essa consciência. Temos de ver onde podemos melhorar, onde podemos crescer. Mas ficámos tristes e admitimos isso. O nosso objetivo na Madeira era ganhar o jogo e ir à Liga Europa», lembrou, não escondendo o sentimento «amargo» pelo desfecho na luta pelo lugar de acesso à Liga Europa.

Sousa elogiou, por outro lado, a crença do plantel na «proposta de trabalho» e a «consistência» conseguida ao longo do campeonato. «O Famalicão esteve 26 jornadas nos lugares europeus, revela a nossa consistência. Estivemos sete jornadas no primeiro lugar. Em algum momento tínhamos de quebrar. Não podíamos exigir aos jogadores manter o primeiro, segundo, terceiro lugar. Nunca quebrámos por um mau resultado. Nunca mudámos a forma de abordar os jogos por um mau resultado. Disputámos todos os jogos até ao último minuto, à exceção de três: no Dragão (derrota por 3-0), Luz (derrota por 4-0) e com o Guimarães em casa (derrota por 7-0)», analisou, recordando que só o FC Porto e o Benfica tiveram menos derrotas que o Famalicão na I Liga – oito dos famalicenses, para cinco das águias e quatro dos dragões – e que a passagem à final da Taça de Portugal acabou «decidida numa bola parada». «Estamos orgulhosos por aquilo que fizemos», rematou.

Para a próxima época, João Pedro Sousa aponta a maior coesão defensiva. O Famalicão marcou 53 golos, mas sofreu 51 na I Liga. «Não gosto de falar em recordes, mas penso que nunca houve um sexto lugar como o nosso, com tantos golos sofridos. É o único apontamento que lanço já para a próxima época, que seguramente vamos sofrer menos golos», antecipou.

Em 41 jogos oficiais em 2019/2020, o Famalicão de João Pedro Sousa venceu 17, empatou 14 e perdeu dez. Marcou 62 golos e sofreu 58.