As palavras de Carlos Pinho, presidente do Arouca, sobre Bruno de Carvalho, acusando o presidente do Sporting de ser um «homem sem palavra», desencadearam reações de dois ex-jogadores do clube. Cássio e Balliu criticaram o dirigente por este não ter cumprido com o que lhes prometeu, acusando-o também de faltar à sua palavra. O lateral reafirma a ideia ao Maisfutebol, enquanto Carlos Pinho rejeita as acusações.

Nas redes sociais, Cássio, que saiu em julho de 2014 do Arouca, deu a entender que ficou com salários em atraso, ao escrever: «Lendo agora uma declaração de uma certa pessoa sobre falta de palavra... que o outro não vale nada... só me resta rir, porque receber eu não vou mesmo».

Também Iván Balliu, lateral que agora está no Metz, apoiou o guarda-redes: «Antes de falar, a primera coisa que tens que fazer, é cumprir com a tua palavra. Estou com Cássio, ainda me deves DOIS meses».

 

Antes de falar, a primera coisa que tens que fazer, é cumprir com a tua palavra.Estou com Cássio, ainda me deves DOIS meses.

Publicado por Ivan Balliu Campeny em  Terça-feira, 10 de Novembro de 2015

«Não recebi os últimos dois meses. Eu acabava contrato e eles queriam que eu renovasse, mas eu não queria e por isso fizeram isso», afirma Balliu ao Maisfutebol. «É uma forma que eles têm para pressionar os jogadores a renovar. Não foi só comigo. Sempre pagaram certinho, até ao dia que eu disse que não queria renovar», acrescentou o lateral espanhol.

Agora o caso deve seguir para os tribunal. «O meu empresário e o meu advogado estão a tratar do assunto, já mandamos uma carta há um mês e não tivemos resposta. Vamos para o tribunal e para a Liga», conta, levantando ainda mais uma questão. «Não são só os jogadores, há empregados, pessoal que trabalha para o Arouca que tem quatro ou cinco meses por receber. Eram eles que nos contavam. Fala-se que eles são um clube que cumpre, mas não é bem assim».

Iván Balliu que afirmou ter sido sempre bem tratado em Arouca até anunciar que não permaneceria no clube de Aveiro, mas contou que «havia colegas que não eram bem tratados» e que «os jogadores portugueses têm medo de falar sobre estas questões».

Presidente responde e convida Balliu a vir buscar o dinheiro

O presidente Carlos Pinho, em declarações ao Maisfutebol, comentou apenas os casos específicos de Balliu e Cássio: «O Balliu fugiu de Arouca, o dinheiro está cá para lhe pagar. Já foi avisado mais que uma vez para o vir buscar.»

Quanto a Cássio, o empresário aveirense disse o seguinte: «Sou uma pessoa séria, honesta e cumpro com as minhas obrigações. Não me vendo. Não estou a dizer que o Cássio se vende, mas eu não me vendo, cumpro com o que digo.»

O guarda-redes declinou ao Maisfutebol voltar a falar sobre o assunto, além do que escreveu em jeito de desabafo.

Tal como Cássio e Balliu, outros jogadores saíram de Arouca no final de contrato, entre eles André Claro, que rumou a Setúbal, neste defeso. O avançado disse ao Maisfutebol que não teve problemas na saída do clube arouquense: «Comigo está tudo em dia.»