Mas quem são afinal Clésio e Francisco Vera?

 

Antes de mais convém começar por dizer que se trata de dois avançados, ambos jogadores que podem jogar a ponta de lança ou sobre a direita do ataque, ambos também com 21 anos, sendo que Clésio é moçambicano e Francisco Vera é paraguaio.

 

Clésio Baúque nasceu em Maputo, em 1994, e foi formado no Ferroviário. Assinou pelo Benfica em setembro de 2012, numa altura em que o melhor marcador do campeonato moçambicano, com seis golos.

 

Em janeiro de 2013, na janela de inverno que se seguiu, mudou-se para o Seixal, para integrar a equipa de juniores. Em meia época fez nove jogos e dois golos.

 

Na época seguinte foi integrado na equipa B, mas não conseguiu convencer o treinador, pelo que acabou por sair em janeiro para o Harrisburg City Islanders, clube da terceira divisão dos Estados Unidos. Em um ano fez 20 jogos e apontou cinco golos.

 

Regressou ao Benfica em janeiro de 2015, depois da boa experiência nos Estados Unidos, mas voltou a não conseguir ser primeira escolha. Na segunda metade da última fez realizou quatro jogos e apontou um golo, nos três meses que já leva esta temporada realizou também quatro jogos (dois como titular) e ainda não marcou nenhum golo.

 

Curiosamente Clésio é um fenómeno em Moçambique. É internacional AA, tendo feito o primeiro jogo pela seleção principal aos 17 anos: frente às Ilhas Comoros, apontou um golo na estreia. Somou desde então 12 internacionalizações e apontou dois golos.

 

Francisco Vera, por outro lado, nasceu também em 1994, na pequena cidade de Minga Guazú (64 mil habitantes), no Paraguai.

 

Formado nas camadas jovens do Rubiu Ñu, da capital Assunção, para onde se mudou muito jovem, Francisco Vera deu nas vistas ao estrear-se no campeonato paraguaio com apenas 16 anos. Aconteceu a 27 de dezembro de 2010, frente ao Sportivo Trinidense, num jogo que o Rubiu Ñu venceu com um golo precisamente de Vera.

 

Desde então, e ao longo de cinco anos, fez 53 jogos pela equipa principal do Rubiu Ñu e apontou nove golos.

 

Internacional sub-17 pelo Paraguai, assinou com o Benfica em 2015, mudando-se para o Seixal no início desta temporada. Em três meses, fez dez jogos (três como titular) e apontou um golo, logo na estreia, na derrota frente ao Atlético.

 

Curiosamente nenhum dos dois jovens chamados por Rui Vitória costuma ser opção de Hélder Cristóvão para o onze titular do Benfica B, que escolhe geralmente entre Sancidino, Oliver Sarkic, Hildeberto Pereira e Diogo Gonçalves.

 

Veja um vídeo de Clésio:

 

 

 Veja um vídeo de Francisco Vera: