Rui Vitória deixou elogios vincados à prestação do Feirense neste regresso ao principal escalão, destacando sobretudo o efeito da promoção de Nuno Manta a técnico principal.

«O Feirense tem tido um desempenho muito bom. Gosto de realçar estes desempenhos, estes trabalhos. É uma equipa que veio do escalão abaixo e que se soube organizar, mesmo com um percalço nos resultados. Soube o que queria para a sua equipa, com o novo treinador os resultados apareceram, e isso agrada-me ver no futebol português», analisou o treinador do Benfica, em conferência de imprensa.

«Gostaria de deixar uma palavra de apreço ao treinador e ao clube, que souberam manter essa organização. É uma equipa que fez mais de metade dos pontos com este treinador. Vai dificultar-nos a tarefa, num campo difícil, mas vamos com todo o prazer à Feira. Com o intuito de ganhar, para levar alegria aos benfiquistas, num estádio que certamente estará cheio, o que cria um ambiente giro, pois o estádio é acolhedor», acrescentou.

Questionado se espera um Feirense defensivo ou nem tanto assim, Rui Vitória antecipou, acima de tudo, um adversário «muito motivado e com as ideias do técnico bem enraizadas». «Isso do jogar mais atrás ou mais à frente, muitas vezes é o adversário que dita. Nós circulamos a bola, obrigamos o adversário a baixar o bloco em muitos jogos. Em algumas situações isso também acontece com o Benfica. Prevejo um jogo difícil, com uma equipa também à espera do nosso erro, atrevida. Vamos ter de estar focados, como temos estado, pois é mais uma batalha das onze que faltam», analisou.

Rui Vitória foi depois confrontado com as declarações de Luís Filipe Vieira, que em entrevista à CM TV disse existir «coação na arbitragem». 

«Só falo de arbitragem porque me estão a perguntar. Não devemos falar disso num pré-match ou numa flash. É para deixar isso de parte. Mas também digo que quem atirou as pedras não esconda as mãos agora. Eu falo abertamente, pois raramente abordei a questão, e quando falei foi mais um sentido elogioso», disse o técnico.

«Qualquer dia fazemos conferências sobre nomeações de árbitros», disse Rui Vitória, antes de insistir no recado: «Quem atirou as pedras não esconda agora as mãos. Eu tenho as minhas cá em cima.»

O técnico foi depois questionado se temia que Artur Soares Dias entrasse condicionado no jogo de Santa Maria da Feira, tendo em conta o ato de vandalismo de que foi alvo o estabelecimento comercial do pai de Jorge Ferreira, árbitro do último jogo do Benfica.

«Já falei de arbitragem, não vale a pena rebobinar o filme. Mas percebem agora porque disse, aqui há uns tempos, da importância da mensagem que se passa para o exterior? Eu tenho esse cuidado. Não vou entrar em mais discussão sobre esse assunto. Sei a importância da nossa palavra junto das nossas massas. Eu sei muito bem quando passo uma mensagem, e tenho passado num sentido conciliador. Temos uma responsabilidade enorme em tudo aquilo que dizemos», afirmou Rui Vitória.