João Henriques, treinador do Santa Clara, em declarações na sala de imprensa do Estádio do Bessa, após a derrota por 1-0 frente ao Boavista, da 21.ª jornada da Liga:

«Durante cinco ou dez minutos a equipa sentiu o golo. No único remate à baliza... a equipa sentiu a injustiça. Depois reergueu-se e terminámos o jogo a criar várias situações de golo. No cômputo geral fomos a equipa que teve mais critério, que criou e teve as melhores situações para marcar. A falta de eficácia ditou o resultado final.»

«O resultado penaliza-nos em demasia. Perante a nossa ineficácia e tendo em conta o que o Boavista estava a fazer, antevia que não houvesse golos. Temos tido alguma infelicidade com as grandes penalidade. Perdemos contra o Marítimo no último minuto, em Braga falhámos um penálti e hoje tivemos perdemos novamente com um penálti. Nos jogos que referi não fomos inferiores. Mas o futebol é mesmo assim.»

[Lesão do Rashid condicionou a estratégia?]:

«Condicionou o plano de jogo. Tínhamos previsto dar velocidade e profundidade aos corredores na segunda parte. Era essa a nossa intenção. Queríamos também controlar o jogo no corredor central, sair a três tanto pelo corredor central como pelas laterais. Tivemos essa prioridade e, com critério, conseguimos levar água ao nosso moinho. Quando quisemos dar profundidade, não conseguimos.

Estava previsto dar largura e profundidade, fazer uma alteração no nosso dispositivo táctico. A lesão do Rashid condicionou-nos, obrigou-nos a fazer uma substituição.»

[Qual a gravidade da lesão do Rashid?]:

«É prematuro dizer. É na região do joelho, mas não sabemos se é nos ligamentos. Vamos esperar pelas próximas 48h.»

[Comentário acerca das prestações de Malik e de Chico Ramos]:

Os jogadores que vieram em janeiro têm qualidade. O Lucas Marques já está há algum tempo connosco e hoje fez o primeiro jogo a titular. O Francisco estava a treinar, apenas não competia com regularidade. O Malik vinha de uma paragem, juntamente com Pablo, mas sabemos o valor deles. Têm muita qualidade e acrescentam qualidade ao grupo. É natural que as ideias que temos para abordar os jogos ainda sejam novas para eles. A pouco e pouco vão melhorando tal como a produção da equipa. O Santa Clara vale pelo seu todo, se formos competentes, as individualidades vão sobressair.»