A FIGURA: Yacine Brahimi
Obrigou Rúben Dias a carregá-lo em falta, na jogada que originou o golo de Adrián López, teve uma mão cheia de dribles na esquerda, quase sempre a procurar o meio. Faltou-lhe o espaço que teve no golo marcado ao Sp. Braga mas, ainda assim, foi do seu pé direito que saíram os maiores sustos para a baliza de Vlachodimos. É um jogador ímpar neste FC Porto, principalmente quando o rendimento de Corona é patético.

NEGATIVO: Jesus Corona
Não é fácil penetrar na mente do mexicano. Meses de rendimento altíssimo e regular, quebra nas semanas mais recentes e nulo absoluto neste clássico. Não foi uma vez à linha de fundo, não participou numa única jogada interessante, não teve uma ação desequilibradora e ainda errou no acompanhamento a Grimaldo, ao ceder um canto sem necessidade. Triste, de braços caídos… não é o jogador que impressionou meses a fio o Dragão.

MOMENTO: bola de Marega morre nas luvas de Vlachodimos, minuto 90
Derradeira sensação de golo no Dragão. No meio da confusão e da floresta de pernas, Marega rodou e rematou sem grande qualidade, mas a bola parecia querer entrar na baliza das águias. Vlachodimos caiu para a esquerda e segurou com determinação. O Benfica agarrou aí três pontos decisivos.

OUTROS DESTAQUES

Iker Casillas

Herrera gritou com o guarda-redes depois do golo de Félix, mas o primeiro erro é de Adrián e o segundo de Manafá. Casillas entregou bem ao avançado e foi ele que recebeu mal e reagiu pior, em vez de ter tocado de primeira para Corona. Casillas, aliás, foi absolutamente decisivo ao parar pontapés de Pizzi e Seferovic ainda no primeiro tempo. Exibição imaculada. Nada a fazer nos golos.

Óliver Torres
Sem o brilhantismo das semanas recentes, sim, mas quase sempre esclarecido e capaz de colocar a bola na relva. Esteve longe da área contrária, a funcionar mais como distribuidor do que rompedor. Saiu na altura do assalto final.

Adrián López
Boa execução no golo, bola em arco e ao poste mais distante. Está ligado ao FC Porto há mais de quatro anos, mas só agora fez o primeiro jogo contra o Benfica. Sai com nota positiva, pelo golo, claro, e por ter definido quase sempre bem ao primeiro toque. Tem um problema: reage sempre a um ritmo inferior ao dos colegas.

Marega
Regresso antecipado e positivo. Deu cabo dos trabalhos a Rúben Dias e tecnicamente até esteve melhor do que o costume. Bem a segurar a bola e a rodar. Aos 75 minutos teve tudo para fazer golo, de cabeça. Pegou mal na bola. Já em cima dos 90, rodou e teve tudo para marcar. Vlachodimos agarrou em cima da linha. Presença sempre ameaçadora.