O encontro até nem foi muito bem jogado, foram raros os lances de perigo, mas a necessidade de vencer assim o obrigava e o Moreirense acabou por ser mais audaz na busca desse resultado. Depois de estar a vencer teve coração suficiente para segurara a vantagem, o que mais importava, no fundo.

 

Depois da derrota na jornada passada diante do V. Guimarães, o Paços de Ferreira apresentou-se em Guimarães com duas alterações no onze. Cumprido castigo, Pelé regressou ao meio campo por troca com Christian, enquanto que o capitão Ricardo fez dupla de centrais com Miguel Vieira, relegando Fábio Cardoso para o banco de suplentes.

 

Do lado do Moreirense, Miguel Leal fez apenas uma alteração na sua equipa, introduzindo o moralizado Fati no onze. Recorde-se que o jovem extremo guineense foi o herói do empate em Coimbra já para lá da hora na última jornada.

 

Com maior responsabilidade de vencer, uma vez que ainda não tinha qualquer triunfo na Liga, pertenceu à equipa da casa o maior ímpeto ofensivo nos primeiros quarenta e cinco minutos. É certo que o jogo até estava a ser dividido e bastante disputado no meio campo, mas a maior crença do Moreirense levava os pupilos de Miguel Leal a chegar com mais consistência à baliza adversária.

 

Num lance fortuito, em que aparentemente a defesa pacense até tinha a situação controlada, o Moreirense chegou à vantagem por intermédio de Iuri Medeiros. O jovem aproveitou um alívio de Hélder Lopes que embateu em Miguel Vieira para atirar para o fundo das redes do Paços quando estavam decorridos 22 minutos de jogo.

 

Poucos minutos depois, o esquerdino emprestado pelo Sporting voltou a fazer das suas, fazendo a bola embater com estrondo no poste da baliza de Marafona na sequência de um livre direto.

 

Jorge Simão não gostava do que via, até porque o Paços de Ferreira produziu muito pouco no primeiro tempo, e de uma assentada fez duas alterações ao intervalo. Fábio Martins e João Silva foram lançados para dar mais expressão ofensiva ao conjunto da Capital do Móvel. Por seu turno, Miguel Leal perdeu a sua principal referência, uma vez que Iuri Medeiros saiu lesionado, em maca.

 

As alterações do técnico do Paços de Ferreira não surtiram efeito e acabou por não se assistir a uma reação á altura daquilo que seria expectável por parte dos castores, também muito por força da ação do Moreirense, que bloqueou com eficiência os caminhos para a sua área.

 

Nos instantes finais intensificou-se a agressividade do Paços, a pressão foi mais elevada, mas mesmo assim o Moreirense soube aguentar-se e a três minutos dos noventa deu a estocada final. Battaglia aproveitou o espaço à entrada da área para fazer um grande golo, ao qual Jorge Simão já não assistiu no banco de suplentes, uma vez que foi expulso por protestos.

 

Triunfo que premeia a maior audácia do Moreirense, ainda que sem direito a grandes brilhantismos. Os três pontos eram mesmo o mais importante, e até podem colocar a equipa de Moreira de Cónegos fora dos lugares de despromoção. Segundo desaire consecutivo do Paços, que põe um travão na série de vitórias que os castores vinham a construir.