FIGURA: Pizzi

Dois golos e uma assistência, exímio nas bolas paradas e fundamental para o triunfo encarnado. Fez por ser cerebral entre linhas e em espaços reduzidos. Já estava a ser um dos melhores do Benfica, operando depois a cambalhota no marcador. Encarou Tiago Sá por duas vezes a partir da marca dos onze metros, enganando nas duas ocasiões o guarda-redes. Cruza depois para o golo de cabeça de Rúben Dias. Foi o comandante da reviravolta encarnada e chegou ao 14.º golo da temporada, o melhor registo de sempre, ultrapassando a época 16/17, na qual fez treze golos.

MOMENTO: cabeça de Rúben Dias baixa a tensão (69m)

A cambalhota estava operada, mas o jogo estava com alta tensão e resultado incerto. Forte nas bolas paradas, Rúben Dias acalmou os ânimos com o terceiro encarnado ao corresponder de cabeça ao pontapé de canto de Pizzi. Definiu aí o encontro com o terceiro golo em onze minutos da equipa de Bruno Lage.

NEGATIVO: tremedeira defensiva inicial

Florentino fez um passe para Vlachodimos que mais parecia um remate logo aos três minutos. Ansiedade notória, a equipa encarnada entrou em jogo pouco confortável, com principal enfoque para a defesa. A tremedeira defensiva no início do encontro foi tão evidente como incompreensível.

OUTROS DESTAQUES

Rafa

Novidade no onze encarnado e conhecedor do relvado da pedreira, no regresso a uma casa que foi sua o extremo foi dos mais explosivos do ataque encarnado. Tentou imprimir ritmo, progredindo com as suas cavalgadas. Faltou quase sempre discernimento para construir lances de perigo efetivo. No final, redimiu-se: penetrou na área adversária e na cara de Tiago Sá sentenciou o 4-1 final. No festejo pediu desculpas à sua antiga equipa.

Samaris

Deu assistência e proteção ao jogo do Benfica a partir de trás. Esteve sempre forte a ocupar espaços e a dar equilíbrio à equipa encarnada, sendo ao mesmo tempo um elemento importante a construir. A simplicidade acompanhou sempre as suas iniciativas, mas com eficiência.

Rúben Dias

Foi amarelado cedo, esteve também intermitente nos instantes iniciais e cometeu até uma grande penalidade, mas recompôs-se e foi, uma vez mais, o patrão do setor mais recuado do Benfica. Prestação destemida defensivamente, coroada com o golo apontado de cabeça. Foi o quarto golo da temporada, o terceiro na Liga.